Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Mesopotâmia

A Mesopotâmia — nome grego que significa "entre rios" (meso - pótamos) - é uma região de interesse histórico e geográfico mundial. Trata-se de um planalto de origem vulcânica localizado no Oriente Médio, delimitado entre os vales dos rios Tigre e Eufrates, ocupado pelo atual território do Iraque e terras próximas. Os rios desembocam no Golfo Pérsico e a região toda é rodeada por desertos.

Inserida na área do Crescente Fértil - de Lua crescente, exatamente por ela ter o formato de uma Lua crescente e de ter um solo fértil -, uma região do Oriente Médio excelente para a agricultura, exatamente num local onde a maior parte das terras vizinhas era muito árida para qualquer cultivo, a Mesopotâmia tem duas regiões geográficas distintas: ao Norte a Alta Mesopotâmia ou Assíria, uma região bastante montanhosa, desértica, desolada, com escassas pastagens, e ao Sul a Baixa Mesopotâmia ou Caldéia, muito fértil em função do regime dos rios, que nascem nas montanhas da Armênia e desaguam separadamente no Golfo Pérsico.

História

A Mesopotâmia é considerada um dos berços da civilização, já que foi na Baixa Mesopotâmia onde surgiram as primeiras civilizações por volta do VI milênio a.C. As primeiras cidades foram o resultado culminante de uma sedentarização da população e de uma revolução agrícola, que se originou durante a Revolução Neolítica. O homem deixava de ser um coletor que dependia da caça e dos recursos naturais oferecidos, uma nova forma de domínio do ambiente é uma das causas possíveis da eclosão urbana na Mesopotâmia.


A partir do III milênio cidades como Lagash, Umma, Kish, Ur, Uruk, Gatium e a região do Elam se desenvolvem e a atividade comercial entre eles se torna mais intensa. Os templos passam a gerir a economia e muitos zigurates são construídos.

Porém, Richard Leakey, em seu livro A evolução da Humanidade, relata como Jack Harlan demonstrou que coletores poderiam ter um armazenamento de alimentos significativo: sua experiência se deu utilizando uma foice de sílex colhendo trigo e cevada selvagens. Portanto, as primeiras comunidades que abandonam o nomadismo poderiam ser de caçadores-coletores não restringindo o sedentarismo unicamente à agricultura ou a domesticação de animais, o que também se fez importante nesse processo de urbanização.

O surgimento dos primeiros núcleos urbanos na região foi acompanhado do desenvolvimento de um complexo sistema hidráulico que favorecia a utilização dos pântanos, evitava inundações e garantia o armazenamento de água para as estações mais secas. Fazia-se necessária a construção dessas estruturas para manter algum tipo de controle sobre o regime dos rios Tigre e Eufrates. Esses rios gêmeos, em função do relevo que os envolve, correm de noroeste para sudeste, num sentido oposto ao rio Nilo, sendo as enchentes na Mesopotâmia muito mais violentas e sem uniformidade e a regularidade apresentada pelo Nilo. " A recompensa - terra para lavrar, água para irrigar, tâmaras para colher e pastos para a criação - fixou o homem à terra" (PINSKY, 1994) Somente o trabalho coletivo permitiu que se pudesse dominar os rios, o homem que se afastava das cidades se afastava das áreas irrigadas, pondo-se à margem desse processo.


Os mesopotâmicos não se caracterizavam pela construção de uma unidade política. Entre eles, sempre predominaram os pequenos Estados, que tinham nas cidades seu centro político, formando as chamadas cidades-Estados. Cada uma delas controlava seu próprio território rural e pastoril e a própria rede de irrigação. Tinham governo e burocracia próprios e eram independentes. Mas, em algumas ocasiões, em função das guerras ou alianças entre as cidades, surgiram os Estados maiores, sempre monárquicos, sendo o poder real caracterizado de origem divina. Porém, essas alianças eram temporárias. Apesar de independentes politicamente, esses pequenos Estados mesopotâmicos eram interdependentes na economia, o que gerava um dinâmico processo de trocas. Segundo Pierre Lévêque "o Estado mesopotâmico é, primeiro que tudo, uma cidade, à qual o príncipe está ligado por estreitos laços; é igualmente uma dinastia, legitimação do seu poder".

Os vestígios arqueológicos são limitados e por isso não se pode definir como a organização política e social se dava exatamente dentro de algumas dessas primeiras cidades. Uma das fontes de referência para o estudo da Mesopotâmia, que não um dos documentos encontrados nas escavações na região, é a bíblia. Nela se fazem referências as cidades de Ur, Nínive e Babilônia . Muitas das histórias presentes no Antigo Testamento são possivelmente derivadas de tradições dessa região, por exemplo o dilúvio. Os autores da Antigüidade como Heródoto, Beroso, Estrabão e Eusébio também fazem referências à Mesopotâmia. Por isso ao estudar a Mesopotâmia deve-se atentar para a construção de uma proto-história baseada em evidências fragmentadas e esparsas, já que as escavações só se iniciam a partir do século XIX, e ainda hoje muitas lacunas estão expostas.

Mesopotâmia

Rios: Eufrates • Tigre
Povos: Sumérios • Acádios - Guti • Amoritas - Elamitas • Arameus - Cassitas • Hurritas - Hititas
Nações: Suméria • Acádia - Elam • Assíria - Mitanni • Império Hitita
Cidades: Eridu • Kish • Uruk - Ur • Lagash - Nippur • Ngirsu - Ágade • Mari - Isin • Larsa Babilônia • Assur - Nimrud • Nínive - Dur Sharrukin
Mitologia: Mitologia suméria, Enuma Elish - Epopéia de Gilgamesh - Epopéia de Atrahasis - An • Adad • Ishtar - Enki • Antu • Enlil - Damgalnuna • Nanna - Ninhursag • Ningal - Ninlil • Shamash Dumuzi/Tamuz Tiamat
Línguas: Sumério • Elamita - Acádio • Aramaico - Amorita • Elamita - Cassita • Hurrita • Hitita




Cronologia dos principais eventos

6000-5000 a.C.
Invenção do arado.

5000 a.C.
Primeiras aldeias.
Cultivo de cereais.
Cerâmica.

3000 a.C.
Idade do Bronze.
Civilização suméria.
Primeiras cidades.
Foram criados a escrita e o sistema de numeração.

2500 a.C.
Sargão I de Acádia unifica a Mesopotâmia


2000 a.C.
Primeira civilização assíria.
Invasão dos hititas.

1900-1200 a.C.
Primeiro império babilônico.
Reino de Hamurabi.
Código de Hamurabi.

1290 a.C.
Êxodo hebreu do Egito (Moisés).

1200 a.C.
Fim do reino babilônico e dominação assíria na Mesopotâmia.

1100 a.C.
Destruição do Império Hitita.
Nabucodonosor da Babilônia unifica o reino.
Segundo Império Babilônico.
Nasce o reino de Israel.

700 a.C.
Reino dos medos.

600 a.C.
Na Babilônia: Reino de Nabucodonosor II.

550-331 a.C.
Ciro, o Grande, conquista Ecbatana, capital dos medos, e a Babilônia.
Início do reinado persa.

331 a.C.
Alexandre Magno derrota os persas na Batalha de Gaugamela e conquista a Mesopotâmia.

Soberanos clássicos
Esta é uma lista de reis e soberanos da Mesopotâmia na Antigüidade, incluindo babilônios, assírios, sumérios, acádios e outros que se revezaram no poder sobre a região:

Nabucodonosor III (século VI a.C.)
Domínio Persa (539-? a.C.)
Belsazar (548-539 a.C.)
Nabonaid (555-548 a.C.)
Nabonidus (562-555 a.C.)
Labashi-Marduque {556-555 a.C.}
Neriglissar (559-556 ????)
Amel-Marduk (562-559 ????)
Nabucodonosor II (605-562 a.C.)
Nabopolasar, caldeu (626-605 a.C.)
Assurbanípal (668-626 a.C.)
Senaq (669-668 a.C.)
Esarhaddon (681-669 a.C.)
Senaqueribe (705-681 a.C.)
Sargão II (722-705 a.C.)
Salmanasar V (727-722 a.C.)
Tiglat-Piléser III (745-727 a.C.)
Adadnirári III (803-782 a.C.)
Semirâmide (810-803 a.C.)
Salmanasar III (858-823 a.C.)
Assurnazirpal II (883-858 a.C.)
Tiglat-Piléser II (956-934 a.C.)
Assurdan II (c. 1000 a.C.)
Tiglat-Piléser I, assírio (1116-1078 a.C.)
Enlil-nadin-apli, babilônio (1123-1116 a.C.)
Nabucodonosor I, babilônio (1146-1123 a.C.)
Ninurta-nadin-shumi, babilônio (1152-1146 a.C.)
Marduk-shapir-zer, babilônio (1170-1152 a.C.)
Enlil-nadin-ahe, babilônio (1173-1170 a.C.)
Zabada-sum-Iddin, babilônio (1174-1173 a.C.)
Marduk-Baladan I, babilônio (1187-1174 a.C.)
Melishipah II, babilônio (1202-1187 a.C.)
Assur-nadim-apli (1217- ? a.C.)
Tiglate-Ninurta I (1245-1217 a.C.)
Salmanasar I (1275-1245 a.C.)
Adadnirári I (1307-1275 a.C.)
Assurbalit I (1366-1330 a.C.)
Samsi-Adad III (1697-1683 a.C.)
Hamurabi II, babilônio (1728-1686 a.C.)
Hamurabi I, babilônio (1792-1750 a.C.)
Sin-Muballit (1800-1792 a.C.)
4º rei
3º rei
2º rei
Sumuabum (1894-1881 a.C.)
Puzur-Assur, assírio (2134- ? a.C.)
Sargão I, acádio (2350-2300 a.C.)
Rúmius, acádio (2529-2515 a.C.)
Sargão, o Antigo (2584-2529 a.C.)
Lugalzaggisi (2600-2584 a.C.)
Gilgamesh, mitológico (c. 2600 a.C.)


Fonte: Wikipédia.
Imagens: Internet