Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

sexta-feira, 30 de março de 2012

A Fuga de Jacó (Labão, pai de Raquel)


(Gn. 28 - 29:1- 20) 

Jacó, quando fugiu da casa de seus pais, por causa de Esaú que o queria matar foi acolhido na casa de Labão, e, casou-se com as suas primas Lia e Raquel e lá permaneceu os 20 anos seguintes. Então, resolveu voltar para Canaã. Antes, porém, quis se reconciliar com Esaú, seu irmão. Na noite anterior ao encontro, ocorreu a estranha luta no rio Jaboque e a mudança do nome. No dia seguinte, Jacó e Esaú se encontraram e fizeram as pazes.
 
O crente que não larga do pé de Deus.

Para o teólogo Mauro Meister, pastor da 1ª Igreja Presbiteriana de Goiânia e professor do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, o evento sobrenatural ocorrido no rio Jaboque é a peça chave para a compreensão do patriarca Jacó: "ele nos ensina que a eleição de Deus prevalece até mesmo sobre o caráter do homem". Segundo o pastor Meister, Jacó precisou da interferência direta, do próprio Deus, para assumir, efetivamente, a aliança feita com seu avô e seu pai. Contudo, no episódio da luta, revela-se, também, um papel ativo na busca do sagrado. Para Meister, a melhor tradução para o nome Israel, não seria o que luta, mas o que "persevera" com Deus. "O nome Yisra'elé derivado do verbo sara, persistir ou perseverar", diz o teólogo.

A afirmação de Israel 

"Quando se diz que Deus está, agora, com Jacó, significa que Deus está, agora, com Israel do Norte" (veja box), afirma José Luís Sicre, da Faculdade de Teologia de Granada. O teólogo espanhol lembra que os êxitos e méritos do patriarca são, por associação direta, reivindicados para o próprio povo de Israel. Contudo, ao mesmo tempo em que Gênesis mostra um patriarca abençoado por Deus, também faz um retrato nem sempre elogioso de sua conduta. 0 relato de Gênesis não é maniqueísta', afirma o teólogo. "Em uma cultura onde se valoriza o viril, e a atividade e o temperamento empreendedor, não parece demasiado elogioso dizer que Jacó é um homem tranquilo que gosta de cozinhar e é preferido de sua mãe, e não do pai", completa. Além disso, embora cumprindo uma promessa (Deus havia dito a Rebeca, ainda grávida, que o filho mais novo sobrepujaria o mais velho), o fato é que Jacó, efetivamente, engana seu pai e seu irmão. Mais tarde, na casa de Labão, é ele a vítima de fraude, quando pensa que está se casando com a amada Raquel e recebe Lia como esposa (veja box). Torna-se, também, objeto de uma "transação" entre as esposas: Raquel cede uma noite com o marido em troca de mandrágoras, flores vinculadas com fertilidade, colhidas pelo filho de Lia (Gn 30.14-16) algo, no mínimo, estranho em se tratando de uma sociedade machista... Ou seja, a imagem de Jacó tem aspectos positivos e negativos, como podemos esperar de qualquer ser humano. Porém, na visão de Gênesis, o positivo vem diretamente de Deus, não se deve aos méritos do patriarca", lembra Sicre.

(Artigo Extraído e Adaptado por Rev. José Roberto).
Imagem: Internet- Google imagens