Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Hebraico era a língua falada por Adão e Eva?


Como o idioma que Jesus falava ressuscitou depois de ser considerado extinto
A língua do povo judeu e também do Estado de Israel moderno, o hebraico é chamado de “Língua Santa” desde os tempos antigos. De acordo com algumas tradições judaicas, o hebraico era a língua da Criação e a única língua falada antes da dispersão causada após a Torre de Babel. Nos tempos medievais, pensava-se que as crianças que cresceram sem nenhuma influência linguística, automaticamente falariam hebraico.

Era a língua dos antigos judeus, inclusive falada por Jesus e seus discípulos, mas após a queda de Jerusalém para os romanos em 70 d.C., o uso do hebraico como língua cotidiana chegou ao fim, embora continuasse sendo utilizada para fins literários e religiosos.

Hoje, o hebraico moderno é falado por cerca de 7 milhões de pessoas em Israel, onde é uma das línguas oficiais, junto com o árabe. O idioma é escrito da direita para a esquerda, usando-se o alfabeto hebraico, que possui 22 letras, todas consoantes. É estudada como língua estrangeira principalmente por estudantes de judaísmo e de Israel, assim como acadêmicos de teologia e seminaristas.

Renascimento do idioma

O hebraico moderno foi desenvolvido juntamente com o surgimento do movimento sionista no fim do século 19. Elizer Ben Yehuda (1858-1922) foi o primeiro a fazer uso exclusivo do hebraico em sua casa, em Jerusalém, e dedicou a sua vida a “ressuscitar” essa língua através da publicação de jornais e a criação de escolas. Este herói linguístico “tornou possível que vários milhões de pessoas possam comunicar-se cotidianamente em uma língua que até então só era usada para discussão talmúdica e orações”.

Ben Yehuda é uma das figuras mais importantes na fundação do moderno Estado de Israel. Por isso, as principais vias comerciais de Jerusalém e Tel Aviv levam seu nome. No entanto, ele e sua família foram banidos da comunidade ultra-ortodoxa por causa de sua decisão de usar o hebraico como língua do dia-a-dia. A comunidade religiosa considerava isso um sacrilégio, pois a consideravam a “língua dos profetas”, e não devia ser usada para falar de banalidades cotidianas.

Ben Yehuda dedicou boa parte de sua vida à criação de um dicionário hebraico moderno, contendo palavras usadas para todas as situações. Ele catalogou cada palavra, pois a língua hebraica deixou de desenvolver o seu vocabulário quando deixou de ser falada, quase dois mil anos antes. Portanto, não existiam palavras apropriadas em hebraico para muitos conceitos modernos. Ben Yehuda resolveu tais problemas fazendo “empréstimo” de palavras de outras línguas semíticas, como a dos árabes, assírios, egípcios, etíopes e coptas.

Em 1913, hebraico se tornou a língua oficial de instrução em escolas judaicas na região que era chamada de Palestina. Em 1948, o hebraico tornou-se a língua oficial do recém-estabelecido Estado de Israel.


Por Jarbas Aragão - http://noticias.gospelprime.com.br/o-hebraico-foi-a-lingua-de-adao-e-eva/
Imagem: Internet-Google imagens