Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

domingo, 13 de abril de 2014

A impecabilidade de Jesus: por que era necessário que Jesus não tivesse pecado?



O Novo Testamento ensina repetidamente que Jesus não teve absolutamente nenhum pecado (Jo 8.46; 2 Co 5.21; Hb 4.15; 7.26; 1Pe 2.22; 1Jo 3.5) 
A natureza moral de Jesus não estava sujeita aos efeitos da queda de Adão,  sendo, portanto,  semelhante à natureza de Adão antes do seu pecado.
Jesus amava a lei de Deus e guardou-a perfeitamente. Amava o Senhor "de todo o [seu] coração,  de toda a [sua] alma e de toda a [sua] força" (Dt 6.5).
Jesus precisava ser sem pecado por vários motivos. Em primeiro lugar, a impecabilidade de Jesus era necessário para que a ele pudesse ser um substituto adequado para todos os pecadores ao morrer na cruz.
Se não tivesse sido um "cordeiro sem defeito e sem mácula", seu sangue não teria sido "precioso"(1 Pe 1.19) aos olhos de Deus. Nesse caso, Jesus teria precisado de um salvador para si mesmo e sua morte não poderia ter nos remido do julgamento eterno. Sua perfeição o qualificou para ser o nosso sacrifício expiatório.
Em segundo lugar, ao viver uma vida em conformidade ativa e absoluta com a alei de Deus, Jesus obteve o direito de se assentar no trono de Davi para sempre (Sl 89.132; Mt 1.1). Desse modo, ao reinar sobre tudo em nosso favor, ele também garante a nossa salvação.
Em terceiro lugar, a justiça ativa de Cristo torna os cristãos justificados diante de Deus. Além de serem perdoados de seus pecados pela expiação de Cristo, os cristãos também são "feitos justiça de Deus" (2 Co 5.21), pois a justiça de Cristo lhes é imputada pela fé no Salvador.  Quando os cristãos estão em Cristo, Deus o Pai os vê da mesma maneira como vê o seu Filho sem pecado.
Em quarto lugar, Jesus enfrentou e venceu a tentação para se tornar nosso sumo Sacerdote compassivo diante do Pai nos lugares celestiais. Ele foi "tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado" (Hb 4.15). Isso significa que enfrentou todos os tipos de tentação que nós enfrentamos, mas não se entregou a nenhuma delas; antes, resistiu mesmo em meio à agonia do Getsêmani e da cruz (Mt 26.36ss.; Mc 14.32ss.). A impecabilidade de Jesus diante da tentação fez dele o nosso sumo sacerdote perfeitamente solidário e garantiu o seu direito de nos representar permanentemente diante do Pai (Hb 5.9-10; 7.25-- 8.13).

Fonte: Bíblia de Estudo de Genebra
Imagem: Internet-Google imagens