Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

sábado, 24 de maio de 2014

Deus convence Jó de ignorância



Jó 38.1-41

Amados, a história de Jó, é deveras mente interessante para a humanidade e para os nossos dias como exemplo de fidelidade e reconhecimento ao Deus Criador.
Jó era um homem que morava na terra de UZ. — A terra de Uz (em hebraico: ארץ עוץ) é um local mencionado no Antigo Testamento, mais notavelmente no livro de Jó, que se inicia com a seguinte frase:
“Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó”.
O nome pode se referir a um dos três homens chamados Uz que são mencionados na Bíblia.
A palavra também pode estar relacionada com a origem etimológica da palavra oz, que significa “leste”. No Livro de Jó (1:3), Jó é descrito como “o maior do que todos os do Oriente.”
Localização: Uz é por vezes identificada com o reino de Edom, aproximadamente na área da moderna Jordânia sudoeste e sul de Israel. (Lamentações 4:21) diz:
 “Regozija-te e alegra-te, ó filha de Edom, que habitas na terra de Uz”.
Outras localizações propostas para Uz incluem a Arábia mais ao sul, especialmente Dhofar, citada como sendo a casa dos árabes originais, Basã nos dias atuais o sul da Síria / oeste da Jordânia, Arábia a leste de Petra, na Jordânia e até mesmo o Uzbequistão nos dias de hoje.
Segundo o documento do Mar Morto, o Manuscrito de Guerra, a terra de Uz é mencionada como existente em algum lugar além do Eufrates, possivelmente, em relação à Síria. 
Na Coluna 11 versículo 2, observa-se, "eles devem lutar contra o resto dos filhos de Aramea: Uz, Hul, Togar, Messa, que estão além do Eufrates".
Pois bem; era Jó um homem muito rico, e conceituado na região onde morava; porém, muito temente exclusivamente a Deus; não conhecia ninguém além dele para adorar. 
A riqueza nunca lhe corrompeu nem a sua família. Certo dia, nas regiões celestiais, Deus se reuniu com seus anjos e toda coorte celestial, e ali reunidos chegou satanás e juntou-se a eles sem ser convidado.
Mas o Senhor olhando para ele perguntou de onde estava vindo, e ele respondeu que vinha de rodear a terra, pois era o que fazia. Rodear a terra para maquinar suas astúcias contra a humanidade.
Deus perguntou mais uma vez, se nestas rotas dele tinha observado um servo seu chamado Jó, que vivia na terra e habitava em Uz, e lhe era muito fiel como ninguém de lá. Respondeu satanás que sim, o conhecia sim;
mas não era bem aquilo que Deus achava dele não. Ele só lhe era obediente e fiel porque recebia sua proteção e cuidados, e desafiou: retira tua proteção e teus privilégios dele para ver se ele não te nega!?
Então, ordenou Deus; vai tu mesmo e o maltrata, mas não o mates; e verás se ele não me é fiel!?
E assim se fez; satanás investiu de maneira extremamente cruel contra Jó, sua família e seus bens a ponto de o deixar sem estrutura física, nem perspectiva alguma na vida. E mesmo assim foi Jó fiel ao Senhor da mesma forma como era antes. 
Houve momentos em que tentou esmorecer, uma vez que não entendia o que estava acontecendo, mas permaneceu fiel, porque tinha convicção que Deus era o seu Redentor. E após momentos diversos onde ele tenta se explicar, mostrando tanto a Deus, como aos amigos que o visitaram, que era homem integro, não praticava nada que desabonasse sua conduta diante de Deus; em determinado momento Deus lhe responde nos termos abaixo.

Depois disto, o SENHOR, do meio de um redemoinho, respondeu a Jó:
Quem é este que escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento?
Cinge, pois, os lombos como homem, pois eu te perguntarei, e tu me farás saber.
Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento.
Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?
Sobre que estão fundadas as suas bases ou quem lhe assentou a pedra angular, quando as estrelas da alva, juntas, alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus?
Ou quem encerrou o mar com portas, quando irrompeu da madre; quando eu lhe pus as nuvens por vestidura e a escuridão por fraldas?
Quando eu lhe tracei limites, e lhe pus ferrolhos e portas, e disse: até aqui virás e não mais adiante, e aqui se quebrará o orgulho das tuas ondas?
Acaso, desde que começaram os teus dias, deste ordem à madrugada ou fizeste a alva saber o seu lugar, para que se apegasse às orlas da terra, e desta fossem os perversos sacudidos?
A terra se modela como o barro debaixo do selo, e tudo se apresenta como vestidos; dos perversos se desvia a sua luz, e o braço levantado para ferir se quebranta.
Acaso, entraste nos mananciais do mar ou percorreste o mais profundo do abismo?
Porventura, te foram reveladas as portas da morte ou viste essas portas da região tenebrosa?
Tens idéia nítida da largura da terra? Dize-mo, se o sabes.
Onde está o caminho para a morada da luz? E, quanto às trevas, onde é o seu lugar, para que as conduzas aos seus limites e discirnas as veredas para a sua casa?
Tu o sabes, porque nesse tempo eras nascido e porque é grande o número dos teus dias!
Acaso, entraste nos depósitos da neve e viste os tesouros da saraiva, que eu retenho até ao tempo da angústia, até ao dia da peleja e da guerra?
Onde está o caminho para onde se difunde a luz e se espalha o vento oriental sobre a terra?
Quem abriu regos para o aguaceiro ou caminho para os relâmpagos dos trovões; para que se faça chover sobre a terra, onde não há ninguém, e no ermo, em que não há gente; para dessedentar a terra deserta e assolada e para fazer crescer os renovos da erva?
Acaso, a chuva tem pai? Ou quem gera as gotas do orvalho?
De que ventre procede o gelo? E quem dá à luz a geada do céu?
As águas ficam duras como a pedra, e a superfície das profundezas se torna compacta.
Ou poderás tu atar as cadeias do Sete-estrelo ou soltar os laços do Órion?
Ou fazer aparecer os signos do Zodíaco ou guiar a Ursa com seus filhos?
Sabes tu as ordenanças dos céus, podes estabelecer a sua influência sobre a terra?
Podes levantar a tua voz até às nuvens, para que a abundância das águas te cubra?
Ou ordenarás aos relâmpagos que saiam e te digam: Eis-nos aqui?
Quem pôs sabedoria nas camadas de nuvens? Ou quem deu entendimento ao meteoro?
Quem pode numerar com sabedoria as nuvens? Ou os odres dos céus, quem os pode despejar, para que o pó se transforme em massa sólida, e os torrões se apeguem uns aos outros?
Caçarás, porventura, a presa para a leoa? Ou saciarás a fome dos leõezinhos, quando se agacham nos covis e estão à espreita nas covas?
Quem prepara aos corvos o seu alimento, quando os seus pintainhos gritam a Deus e andam vagueando, por não terem que comer?

Por Diác. Joseval Oliveira- Fontes: ´Wikipédia. Bíblia Sagrada
Imagem: Internet-Google imagens-wikipédia