Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

sábado, 27 de dezembro de 2014

ANTIGO TESTAMENTO: PENTATEUCO, GÊNESIS E ÊXODO


      O Antigo Testamento é uma coletânea de escritos que os judeus chamam "a Lei, os Profetas e os Escritos" (abreviado conforme o hebraico, a Tanak), ou simplesmente "a Escritura". Quando os cristãos consideraram que suas próprias escrituras "apostólicas" expressavam as disposições de uma "Nova Aliança" (ou "Novo Testamento") entre Deus e seu povo, denominaram as escrituras anteriores de Antigo Testamento , ou seja, a Antiga Aliança .
A presente Introdução quer apresentar o ambiente geográfico e histórico no qual nasceu o Antigo Testamento , explicar como foram reunidos os livros que o constituem, como nos foram transmitidos e qual seu significado para o crente de hoje.

A) A TERRA DA BÍBLIA

1. O "Crescente Fértil". A terra de Israel , chamada na Bíblia terra de Canaã e pelos geógrafos antigos e modernos, "Palestina" (isto é, "terra dos filisteus"), é um pequeno setor de um vasto conjunto geográfico em forma de meia-lua denominado o "Crescente Fértil"  . Essa região tem, de fato, a forma de um arco cujo centro se situaria no deserto da Síria e ao norte do deserto da Arábia, regiões quase impenetráveis na Antiguidade. O próprio Crescente é uma zona irrigada por rios mais ou menos importantes: Tigre, Eufrates, Oronte, Litâni, Jordão . A essa região é preciso acrescentar o importante vale do Nilo, uma espécie de prolongamento, embora os geógrafos não o situem no "Crescente" propriamente dito. A margem interna do Crescente é formada por regiões semidesérticas que fazem a transição com o deserto , enquanto no exterior se estendem maciços montanhosos: Planalto Iraniano, Armênia, Tauro. Deste Crescente, a Síria e a Palestina formam a parte mais estreita: entre o Mediterrâneo e o deserto , ocupam um corredor de menos de 100 quilômetros de largura, que faz a ligação entre a Mesopotâmia e o Vale do Nilo.
Esse conjunto abrigou desde cedo uma importante população e viu desenvolverem-se vários grandes focos de civilização. As mais importantes concentrações foram feitas no Vale e no Delta do Nilo e nos cursos inferiores do Tigre e do Eufrates. Entre estas duas extremidades, a circulação era intensa. A rota principal seguia o Eufrates, atravessava a Síria por Palmira e Damasco, a Palestina por Meguido e Jafa, para atingir o Egito por Gaza e Rafia. Em Damasco, podia-se tomar, margeando o deserto , a rota transjordaniana, que permitia chegar à Arábia por Eilat, e ao Egito pela península do Sinai . Um último itinerário, mais freqüentado pelos transportadores, ia diretamente do Eufrates aos portos fenícios (Tiro, Sídon, Biblos), de onde estava assegurada a ligação por mar com o Egito . Por essas grandes vias de comunicação, circulavam as mercadorias, os exércitos, e também as idéias.
O Crescente Fértil não era um mundo fechado. Comunicava-se diretamente com a Arábia, com a África através do Egito e da Etiópia, com a Índia através do Irã, e também com o Ocidente: Chipre, Creta, Ilhas Gregas, Jônia, mais tarde Grécia continental e Itália. Sempre houve intercâmbios comerciais entre o Crescente Fértil e a bacia mediterrânea, o que deu aos países do Mediterrâneo e do Oriente Próximo certa unidade cultural.
2. Estrutura da Palestina . Neste conjunto, a Palestina ocupa uma posição bastante marginal, embora se encontre inserida num importante corredor. Com efeito, o coração do país se encontra bem próximo dos grandes eixos de comunicação, mas a região está tão compartimentada que seus habitantes se vêem constrangidos a um certo isolamento.
De modo bastante sumário, podem-se distinguir quatro faixas orientadas no sentido norte-sul:
a) uma faixa costeira: o litoral mediterrâneo, estreito e pouco favorável ao estabelecimento de portos, prolonga-se numa cadeia de colinas (chamada Shefelá — Baixada — no sul), cortada por pequenas planícies;
b) uma cadeia central: bastante elevada ao sul, na Judéia (mais de 1.000m), abaixa-se à medida que se vai para o norte, mas acaba por levantar-se na extremidade setentrional do país, antes de se prolongar no maciço do Líbano. Depressões transversais delimitam nitidamente três regiões: Judéia , Samaria , Galiléia . A mais importante dessas depressões é a planície de Jezreel, ou Esdrelon, limitada a oeste pelo monte Carmelo;
c) uma grande depressão ocupada pelo vale do Jordão , o lago da Galiléia e o mar Morto; prolonga--se ao sul pelo vale da Arabá, que termina no Golfo de Ácaba. Esta depressão, que prolonga as falhas geológicas dos grandes lagos africanos, é o fosso continental mais profundo de toda a terra: o mar Morto está 390m abaixo do nível do Mediterrâneo;
d) o planalto transjordaniano, cuja margem ocidental sobreolha a depressão central. Sua parte sul é recortada pelas gargantas dos afluentes do Jordão e do mar Morto (Arnon, Jaboc). A parte norte, menos abrupta, forma uma cadeia mais elevada do que a cadeia central; o Hermon e o Antilíbano são seus prolongamentos.
3. Condições de vida na Palestina . Apesar de variar com as regiões, o clima da Palestina apresenta alguns traços comuns: bastante ensolarado, chuvas distribuídas em poucos dias, estação seca de maio a outubro, grande irregularidade da quantidade de chuva (que pode diminuir ou duplicar de um ano para outro).
O índice pluviométrico decresce rapidamente de oeste para leste e de norte a sul. Desse modo, podem-se distinguir três regiões climáticas:
— ;entre a costa e as colinas centrais, uma região razoavelmente irrigada por chuvas, que permite as culturas mediterrâneas: trigo, cevada, vinha, oliveira , frutas e legumes;
— ;na vertente leste do maciço da Judéia e no Négueb, uma região semidesértica apta para algumas culturas periódicas e criação de ovelhas
— ;uma região desértica, uma estepe, que fornece algumas pastagens periódicas.
Nas duas últimas regiões, encontram-se alguns oásis férteis, mas de superfície bastante reduzida.
Se, em comparação com as regiões semiáridas, as regiões irrigadas podiam passar por "terra boa", uma "terra que mana leite e mel", a vida nelas era sempre precária e a terra não podia alimentar uma população numerosa, que não parece ter ultrapassado um milhão de pessoas nos tempos bíblicos. As duas maiores cidades, Jerusalém e Samaria , não chegaram a contar mais de 30.000 habitantes. As outras cidades eram simples cidadelas fortificadas. O resto da população habitava povoados agrupados ao redor das nascentes.
 
B) ISRAEL NO MEIO DAS NAÇÕES
1. As grandes etapas da história de Israel
a) As origens de Israel , como as da maioria dos povos, são muito difíceis de estabelecer. A entrada de Israel na história, por volta de 1200 a.C., foi precedida por um longo período de formação (8 ou 9 séculos), que escapa em grande parte aos historiadores. No entanto, Israel guardou desse período lembranças de acontecimentos e de personagens marcantes, lembranças que se conservaram na tradição oral, narrativas que se transmitiam de uma geração a outra. Esses relatos podem conservar muitas informações úteis ao historiador. Confrontando essas tradições com o que sabemos da história do Oriente Próximo e com os documentos fornecidos pela arqueologia, pode-se chegar a certo conhecimento desse período decisivo.
Os antepassados dos israelitas devem ser procurados entre os semitas seminômades, criadores de ovelhas , que circularam durante todo o segundo milênio pelas margens semidesérticas do Crescente Fértil. Pouco a pouco, esses grupos acabaram por se fixar; por vezes chegaram até a dominar uma região já ocupada por outras populações. Entre os seminômades, dois grupos são mais conhecidos: os amorreus (emoritas), que se fixam na Mesopotâmia, na Síria e na Palestina por volta de 2000 a.C., e os arameus, que se fixam na Síria no século XIII a.C. Mas os documentos egípcios e mesopotâmicos assinalam muitos outros grupos que se infiltravam continuamente na Mesopotâmia, na Palestina e no Egito .
Desse período pouco conhecido, a tradição bíblica faz emergir algumas grandes figuras: Abraão , Isaac , Jacó-Israel e os ancestrais das tribos israelitas. É difícil avaliar o valor histórico dos dados sobre os patriarcas fornecidos pela tradição . Confrontando-os com os dados da história e da arqueologia, pode-se presumir que os patriarcas se fixaram na Palestina no século XIX ou XVI a.C. — segundo outras estimativas entre os séculos XVIII e XVI a.C. — e que vinham da Mesopotâmia (Abraão vinha de Ur na Suméria, Jacó de Harran no Médio-Eufrates). Os autores bíblicos se preocupam muito menos em situá-los na história de seu tempo do que em mostrar como eles se tornaram os pais espirituais do povo de Deus : adoradores e confidentes do único verdadeiro Deus , receberam dele ricas promessas para sua posteridade (Gn 15; 17).
Uma parte de seus descendentes se estabeleceu no Egito , em companhia de outros grupos semíticos. É impossível fixar uma data para a implantação, que se processou lentamente, no decorrer de quatro ou cinco séculos. Há, pelo menos, dois períodos que podem ter tornado esta instalação mais fácil:
— ;a dominação dos hicsos, vindos da Palestina e que governaram o Egito de 1700 a 1550 aproximadamente;
— ;o enfraquecimento do poder egípcio, que marcou o reino do faraó Akhenaton (1364-1347).
b) O nascimento do povo foi um processo complexo, que começou provavelmente em 1250, sob o faraó Ramsés II . Grupos semitas estabelecidos no Egito , submetidos a duras corvéias, conseguiram fugir sob a direção de Moisés , que os reagrupou ao redor do Sinai , depois no oásis de Qadesh (Cades), ensinando-os a servir ao Senhor, a quem devem a libertação, e dando-lhes um início de organização.
A Bíblia dá grande destaque a esses acontecimentos fundamentais, que apresenta como o ato de nascimento de Israel , o ponto de partida de sua história. Três fatos são especialmente destacados: a partida do Egito depois de uma série de catástrofes, sinais da intervenção do Senhor (Ex 7–12), a passagem do mar (Ex 14–15) e o encontro entre Israel e seu Deus no Sinai ou no Horeb (Ex 19–24).
As tribos que escaparam do Egito penetram em seguida na Palestina . Umas pelo sul, outras pelo leste. Trata-se em geral de movimentos dispersos, de infiltrações pacíficas em regiões pouco habitadas. Mas em vários lugares, os recém-chegados devem guerrear contra as cidades cananéias, que tentam detê-los. As vitórias israelitas são compreendidas como novas provas da intervenção do Senhor, que dá a seu povo a "boa terra" prometida a seus antepassados. Entre os chefes de tribos que se destacaram nas batalhas, a Bíblia conservou sobretudo Josué , chefe de Efraim , que parece ter desempenhado um papel importante no reagrupamento das tribos , tanto das que vinham do Egito como das que já estavam instaladas na Transjordânia e na Galiléia . Israel é, de agora em diante, um povo constituído, embora sua estrutura política ainda seja muito maleável.
A "federação" das tribos pouco a pouco toma consistência no decorrer dos séculos XII e XI a.C., porque devia resistir a diversas ameaças: assaltantes nômades, reinos da Transjordânia, cidades cananéias. O perigo principal vinha dos filisteus , desembarcados nas costas da Palestina no início do século XII a.C., que se apresentavam como os concorrentes mais sérios de Israel na posse da Palestina . Durante muito tempo, as tribos se contentam com alianças defensivas, limitadas e temporárias, sob a conduta de chefes inspirados aos quais se dava o título de "Juízes". Mas tendo a ofensiva filistéia se tornado mais ameaçadora, as tribos decidem reforçar a coesão pondo à sua frente um rei , conforme o modelo dos povos vizinhos.
c) A monarquia. Após o fracasso do reinado de Saul , o judeu David é reconhecido como rei por todas as tribos , pouco antes do ano 1000 a.C. (2Sm 5). David repele os filisteus para a costa e empreende uma série de guerras ofensivas contra os arameus; chegará a impor sua dominação a todos os estados vizinhos até o norte da Síria. Ao mesmo tempo, começa a organizar o Estado. Instala a capital em Jerusalém e para lá transfere a arca da aliança, centro do culto comum às tribos .
É a seu filho Salomão que compete concluir a organização do reino com a criação de um aparelho administrativo e de um exército permanente bem-equipado. Salomão desenvolve o tráfego comercial, que propicia ao país um rápido enriquecimento e enseja ao jovem reino um lugar invejável em meio às nações. Ele multiplica as construções em Jerusalém e em todo o reino. Sua obra mais importante é a construção do templo de Jerusalém (1Rs 6–8), centro de reunião das tribos , no qual Israel vê o sinal da presença permanente do Senhor no meio de seu povo, a prova de que o povo de Deus está constituído e estabelecido em solo próprio. O fim do reinado de Salomão foi, contudo, marcado por sérios reveses (1Rs 11).
O filho de Salomão , Roboão, não era capaz de governar o estado, apenas aparentemente unificado. Revoltadas por um despotismo oneroso, as tribos do centro e do norte provocam a secessão, em 933 a.C., e se constituem em estado independente, o reino de Israel . Isoladas no sul, as tribos de Judá e de Benjamin continuam fiéis ao descendente de David no reino de Judá . Durante dois séculos, o povo de Israel estará dividido em dois estados mais ou menos rivais.
Constituído pelas regiões mais ricas e mais povoadas do país, o reino do Norte conheceu períodos brilhantes, especialmente sob Omri (886-875), o fundador de Samaria , sob Acab, sob Jeroboão II. Mas, minado por uma instabilidade dinástica crônica, não teve meios para se opor à expansão assíria. Foi varrido pela ofensiva de Tiglat-Piléser em 738 a.C.; a última resistência foi quebrada em 722-721 a.C., com a tomada de Samaria . Parte da população foi deportada, e o território do reino tornou-se província assíria.
O reino do Sul, pobre, cercado por vizinhos hostis, não podia desempenhar um papel importante e parece ter sido bastante influenciado pela política egípcia. Logrou, no entanto, conservar seu lugar no meio das nações sob reis como Asá, Josafat, Ezequias, que teve de recolher o que restou do reino do norte, e Josias, a quem Judá deve seu último surto de independência. Mas após um prazo de pouco mais de um século, foi a vez de o pequeno reino ruir: os babilônios de Nabucodonosor arrasam Jerusalém e deportam parte de seus habitantes (587 a.C.).
Dispersos por toda a Mesopotâmia ou refugiados no Egito , os israelitas muitas vezes se assimilaram aos povos que os acolheram. Mas alguns grupos de origem judaíta souberam manter a coesão e preservaram uma vida religiosa própria: a organização que deram a suas comunidades foi a origem das sinagogas. Para esses grupos, o exílio foi a ocasião de refletir profundamente sobre a vida de seu povo e de fazer o balanço da história de Israelvários livros da Bíblia são fruto dessa meditação.
Mas os profetas não esperaram o fim do reino de Judá para expressar um juízo de valor sobre os fatos que estavam ocorrendo. Ensinaram o povo de Deus a ver a obra do Senhor em todos os acontecimentos, tanto os mais gloriosos como os mais trágicos. Nas catástrofes que, a partir do século VIII a.C., se abateram sobre os dois reinos, reconheceram as conseqüências das infidelidades cometidas pelo povo contra Deus : culto aos deuses estrangeiros e injustiça social. Mas deixaram entrever igualmente o retorno do povo infiel à graça e delinearam perspectivas de esperança .
d) A comunidade judaica. Com efeito, menos de 50 anos após a queda do reino de Judá , a situação se inverte: o império babilônico desmorona sob os golpes dos persas. Um decreto de Ciro, em 538 a.C., autoriza a reconstrução do Templo de Jerusalém , ao redor do qual se reagrupam os judeus que retornaram do exílio . É apenas uma pequena comunidade, que cresce lentamente em meio a numerosas dificuldades. Ela deve enfrentar especialmente a hostilidade dos que ficaram na região e ocuparam a terra. Neemias e Esdras , no século V a.C., dão-lhe uma organização definitiva. Sem influência no domínio político, ela deixou profundas marcas no âmbito religioso. Foi no decorrer desse período que a maior parte dos livros do Antigo Testamento recebeu a forma final.
Em 333 a.C., Alexandre Magno pôs fim à dominação persa e assegurou, no terreno político, a vitória do helenismo. Incorporada ao Império Macedônico, a terra de Israel terá de sofrer muitas vezes por causa das lutas entre os sucessores de Alexandre. Durante um século e meio, a comunidade judaica viverá em paz geral com o mundo grego. Mas em 167 a.C., o conflito explode: Antíoco IV quer abolir o estatuto particular de Jerusalém e lança o interdito sobre as práticas judaicas na Palestina . Os irmãos macabeus desencadeiam uma insurreição armada, que acaba por ser vitoriosa. Simão Macabeu, reconhecido como sumo sacerdote , obtém a independência para a Judéia (141 a.C.). Durante quase um século, seus descendentes, os hasmoneus, que se tinham arrogado o título de reis, mantiveram a situação, à qual os romanos puseram fim em 63 a.C., quando Pompeu se apoderou de Jerusalém e fez da Judéia uma província romana (cf. Introdução ao Novo Testamento).
No decorrer desse período, a comunidade judaica se separa progressivamente dos samaritanos que, vivendo em redor do santuário de Siquém , herdaram das tribos do centro algumas tradições opostas às de Jerusalém .
As invasões assírias, no século VIII a.C., e as babilônicas, no século VI a.C., dispersaram bom número de israelitas na Mesopotâmia, no Egito e em outros países. Muitos não retornaram à Judéia , depois de 538 a.C. A unificação de numerosos povos sob a dominação grega favoreceu um movimento de emigração através de todo o Oriente Próximo e em torno da bacia do Mediterrâneo, especialmente no Egito . Desde o século II a.C., Alexandria conta mais judeus do que a Judéia . Ao mesmo tempo, desenvolve-se um intenso esforço de propaganda, que levará ao judaísmo muitos convertidos, os "prosélitos". Todos esses judeus residentes no estrangeiro constituem a diáspora (dispersão), muito mais numerosa do que a população da Palestina , metade da qual, aliás, não era judaica. Agrupados ao redor de sinagogas e, apesar da distância, muito apegados a Jerusalém e ao Templo, esses judeus partilham ao mesmo tempo a vida dos povos em meio aos quais residem. Eles contribuíram para dar ao judaísmo um semblante novo e o prepararam para superar a grande provação que foi, em 70 d.C., a guerra contra os romanos, que terminou com a ruína do Templo e, após uma derradeira resistência com Bar-Kokbá (em 135), com a supressão da nação judaica.
2. As nações em torno de Israel . No decorrer dos séculos, o Crescente Fértil foi o lugar de migração de numerosos povos de proveniência, cultura e religião diversas. Israel esteve em contato mais ou menos estreito com muitos dentre eles.
a) Vizinhos imediatos. Eram pequenos estados, cujos habitantes tinham mais ou menos a mesma origem que os israelitas.
No sudeste, os edomitas ocupavam o maciço de Seir, o vale da Arabá e a região de Petra. Mais ao norte, encontrava-se o reino de Moab (a leste do mar Morto), depois o reino de Amon (cf. a atual Amã). Na fronteira norte, Israel encontrava os reinos arameus (Damasco, Hamat). Apesar de os conflitos com esses países terem sido crônicos, Israel considerava que seus povos tinham com ele um parentesco, expresso nas genealogias: Amon e Moab eram os sobrinhos-netos de Abraão , Edom (Esaú) era o irmão de Jacó , o arameu Labão era tio e sogro de Jacó .
No noroeste se encontravam os fenícios, marinheiros e comerciantes que, durante toda a Antiguidade, sulcaram os mares, estabelecendo feitorias e colônias às margens do Mediterrâneo. Biblos, Sídon e Tiro foram periodicamente as capitais deste pequeno reino, derradeiro resto dos estados cananeus vencidos pelos israelitas e os filisteus . Com população muito mesclada, Canaã tinha, no entanto, certa unidade cultural e religiosa, contrastando com o esfacelamento político da região. Falava-se aí uma única língua, o cananeu, cuja forma antiga só se pode perceber graças a algumas glosas de tabuletas babilônicas de Tell el-Amarna. A civilização e a religião de Canaã não são conhecidas pelo testemunho direto dos textos. Mas se admite que elas se assemelhavam, no essencial, com as que revelaram os documentos de Ras Shamra, na Síria do Norte, redigidas no século XVI a.C., numa língua chamada ugarítica.
No sudeste, enfim, residiam os filisteus , chegados à costa pouco depois da época da instalação das tribos de Israel . Sua religião e costumes diferiam nitidamente das religiões e costumes dos povos do Crescente Fértil, enquanto se assemelhavam aos de Creta e da Grécia. Para Israel , eram os estrangeiros por excelência.
b) Grandes potências. Israel tinha problemas não só com esses pequenos estados, mas também com as grandes potências que periodicamente dominavam o Oriente Próximo . Em raros períodos, a fraqueza dessas potências permitia à Palestina dispor de si mesma; David aproveitou-se de uma situação dessas para fundar seu reino. Mas, na maior parte do tempo, a Síria e a Palestina estavam submetidas à pressão de seus grandes vizinhos.
Primeiramente o Egito, que, por volta de 3000 a.C., já era um grande estado, com civilização bastante evoluída. Estendido ao longo do Nilo, estava voltado para a África (a Núbia, ou Etiópia), mas mais ainda para a Europa e a Ásia. Todo o tempo, os faraós procuraram dominar a Palestina que, durante longos séculos, foi província egípcia ou protetorado: quase todos os reis de Judá foram aliados ou satélites do Egito . Isso explica uma influência cultural prolongada que deixou na Bíblia traços importantes (em particular nos livros sapienciais).
Depois, a Mesopotâmia. Ela foi sempre um mundo complexo: todas as raças se entrecruzavam aí, os impérios se sucediam combatendo-se. O primeiro império mesopotâmico a dominar a Palestina foi o reino assírio, que começou sua expansão para o oeste no século IX a.C. Assolou o reino de Israel entre 735 e 721 a.C., enquanto o reino de Judá devia prestar-lhe vassalagem. A potência assíria, definitivamente vencida em 608 a.C., deu lugar a um reino babilônico governado pelos caldeus (arameus orientais). Nabucodonosor impôs sua dominação a quase todo o antigo império assírio e esmagou definitivamente o reino de Judá em 587 a.C. Em 539 a.C., o rei da Pérsia, Ciro, pôs fim a esse império, cujas províncias incorporou a um império muito mais vasto, que se manterá por mais de dois séculos. O governo persa se mostrará tolerante para com as culturas e as religiões das etnias que dominava. Neste quadro, a comunidade judaica pôde se reconstituir e prosperar.
Mas, muito antes de confrontar-se com as potências políticas da Mesopotâmia, a Palestina já tinha tido relações prolongadas com esse foco de civilização. Desde 3000 a.C., pelo menos, a Baixa Mesopotâmia fazia sentir sua influência em toda a extensão do Crescente Fértil. Dominada sucessivamente pelos sumérios (Ur, Lagash), os acádios (Acad), os amorreus (Babilônia, Mári), os hurritas (Nuzi), os assírios (Nínive), os caldeus, os persas e outros ainda, a Mesopotâmia teve uma irradiação constante e bastante homogênea. A criação do império persa acrescentou a essa influência a contribuição dos povos indo-europeus do Irã.
Vem, por fim, o mundo grego. Desde o ano 2000 a.C., Canaã sofria a influência da civilização egéia, influência que cresceu ainda mais a partir da época da dominação persa. Ela se torna particularmente forte no século IV a.C.: em alguns anos, o macedônio Alexandre construíra um império que ia do Adriático ao Indo. Com sua morte, em 323 a.C., o império foi dividido entre seus generais. A Palestina pertenceu primeiramente ao estado dos ptolomeus, que dominava o Egito (Alexandria), depois ao estado dos selêucidas (Antioquia), que recobria a Síria e a Mesopotâmia. Embora pertencessem à mesma civilização, chamada helenística, esses dois estados estavam em perpétuo conflito, e a Palestina mudou várias vezes de senhorio. Mas não foi apenas porque os gregos ocupavam o território que Israel se deparou com essa cultura: uma população numerosa helenizada se tinha instalado na Palestina no curso do século III a.C. No entanto, nessa época, o judaísmo , havia muito tempo, afirmara sua personalidade, e a influência grega só o tocou talvez bastante superficialmente. E não sem lutas (1 e 2Mc). A influência helenística atingiu mais os judeus da diáspora , embora neles também as referências fundamentais fossem sempre as da cultura e da religião de Israel .
C) O CÂNON DO ANTIGO TESTAMENTO
O Antigo Testamento não é a totalidade da literatura produzida pelo povo hebreu. É o resultado de uma seleção de livros aos quais se reconhece autoridade e que são, por isso, chamados canônicos (a palavra kan×n em grego significa "regra").
Sobre a formação do cânon do Antigo Testamento , remetemos o leitor à Introdução aos livros deuterocanônicos.
D) O TEXTO DO ANTIGO TESTAMENTO E SUA TRANSMISSÃO
I – A língua do Antigo Testamento
Os livros do Antigo Testamento foram escritos essencialmente em hebraico. Essa língua semítica — aparentada, portanto, com o árabe e o babilônico — é bastante diferente das línguas européias. Para compreender certas notas, talvez seja útil conhecer algumas de suas características, que são as mesmas para o aramaico , língua de alguns textos do Antigo Testamento .
— A maior parte das palavras (verbos e substantivos, por exemplo) é formada a partir de "raízes" caracterizadas por consoantes (habitualmente três, o único elemento a ser escrito, ao menos no princípio). As vogais (variáveis) e um certo número de prefixos e sufixos servem para indicar as funções gramaticais: gênero e número dos nomes, modos dos verbos etc. Assim, a raiz brk, que exprime a idéia de bênção, pode tomar formas tais como: barek = abençoar, berak = ele abençoou, beraku = eles abençoaram, yebarek = ele abençoará, baruk = abençoado, beruká = abençoada, beraká = bênção.
Como o contexto é que determina o sentido das palavras, geralmente é fácil constatar na leitura quais vogais devem figurar em cada palavra: por isso, essa escrita abreviada (sem vogais) foi suficiente para o hebraico durante o tempo em que permaneceu uma língua viva. Quando deixou de ser falado pelo povo, foram criados diversos sistemas para a notação das vogais.
— Nos verbos, o hebraico exprime sobretudo o aspecto da ação: as noções temporais de passado, presente, futuro nas quais se desenrola a ação são indicadas pelo contexto. A forma verbal descreve a ação como realizada ou não-realizada. A ação realizada corresponde geralmente ao passado (perfeito ou mais-que-perfeito), mas pode também ter valor para o futuro, se se olhar a ação em sua totalidade como uma realidade acabada. A ação não-realizada vale sobretudo para o futuro, mas também para o presente e o passado, quando a ação continua ou se repete (imperfeito). De fato, só o contexto permite saber se a ação está no passado ou no futuro, mas o próprio sentido do contexto nem sempre é evidente, o que explica numerosas divergências entre as diversas traduções da Bíblia.
— Como toda língua, o hebraico possui certo número de expressões idiomáticas: para falar do santo Templo de Deus , o hebraico diz "o Templo de sua santidade"; para descrever alguém que empreende uma viagem, o hebraico diz "levantou-se e foi"; para apresentar-se diante de Deus o hebraico diz "vir ante a face de Deus".
As primeiras traduções gregas da Bíblia transpuseram numerosas expressões desse gênero, bem como outros hebraísmos. Desse modo criaram uma língua particular: o grego bíblico, utilizado no Antigo Testamento grego e no Novo Testamento . A estrutura é quase a mesma do grego que se falava em toda a bacia do Mediterrâneo entre o século II a.C. e o século I de nossa era; mas muitas palavras tomaram um sentido especial, e esse idioma utiliza figuras próprias ao hebraico ou aramaico .
II - A transmissão do texto
1. Os livros transmitidos em hebraico (ou em aramaico)
a) O texto masorético. Os livros que o povo judeu , no fim do século I d.C., considerou como livros santos (Bíblia judaica, Antigo Testamento dos protestantes, livros protocanônicos do Antigo Testamento para a Igreja católica) foram conservados em sua língua original (aramaico para uma grande parte de Daniel e algumas passagens de Esdras , hebraico para todo o resto).
Chama-se texto masorético a forma textual oficial definitivamente fixada no judaísmo por volta do século X d.C., época na qual floresciam em Tiberíades , na família dos Ben Asher, os mais célebres masoretas (= transmissores e fixadores da tradição textual). O mais antigo manuscrito "masorético" que possuímos foi copiado entre 820-850 d.C. e contém apenas o Pentateuco . O mais antigo manuscrito completo, o códice de Alepo — hoje infelizmente amputado —, foi copiado nos primeiros anos do século X d.C. Nossas Bíblias hebraicas modernas reproduzem esse texto tal como foi copiado no manuscrito B 19a (L), de Leningrado (c. 1008).
O fato de a escrita hebraica anotar de modo preciso apenas as consoantes tornou ambíguos certos textos bíblicos. Por volta do século VII d.C., encontrou-se um meio preciso para anotar as vogais e para indicar a vocalização tradicional das frases e membros de frases, graças a um sistema complexo de pontos e de traços que acompanham o texto consonântico. Assim se fixou por escrito uma tradição de leitura e de exegese desenvolvida no judaísmo no curso do primeiro milênio de nossa era e da qual os targumin (traduções aramaicas da Bíblia hebraica) são as testemunhas fiéis. Resquícios de algumas traduções gregas realizadas sob a influência do rabinato no curso dos dois primeiros séculos (as de Teodocião, de Áquila e de Símaco) permitem remontar ainda mais longe na história desta tradição de exegese.
b) O texto protomasorético e as formas textuais não-masoréticas. O texto consonântico que serviu de base para a atividade dos masoretas (= texto protomasorético) tinha já suplantado no judaísmo todas as outras formas textuais rivais pelo fim do século I d.C.
A partir de 1947, foram descobertas, às margens do mar Morto, em grutas ao redor da ruína de khirbet Qumran  , alguns rolos de livros bíblicos quase completos e de milhares de fragmentos abandonados no século I de nossa época. Isso permitiu constatar que, na época de Jesus , circulavam na Palestina certo número de livros bíblicos em formas textuais por vezes divergentes do texto protomasorético. Conheciam-se já, antes da descoberta dos manuscritos de Qumran e do Deserto de Judá , algumas formas não-masoréticas do texto do Antigo Testamento : por exemplo, aquele que a comunidade dos samaritanos conservou para o Pentateuco , ou então o que serviu de base para a antiga tradução grega dos Setenta (Septuaginta). Essas duas últimas formas textuais, apesar de conservadas em manuscritos mais recentes que os manuscritos do Deserto de Judá , remontam aos três últimos séculos antes de Cristo .
Em todas essas formas do texto pré-masorético podemos encontrar por vezes um texto mais claro e inteligível do que o masorético. Daí a tentação de muitos exegetas, sobretudo entre 1850 e 1950, de a elas apelar para corrigir o texto masorético nos trechos considerados alterados.
c) Alterações textuais. É certo que determinado número de alterações diferenciam o texto protomasorético do texto original.
— Por exemplo, o olho do copista saltou de uma palavra a outra semelhante, situada algumas linhas abaixo, omitindo tudo aquilo que as separava.
— Do mesmo modo, certas letras, sobretudo quando mal-escritas, muitas vezes foram mal-lidas e mal-reproduzidas, pelo copista seguinte.
— Ou então um escriba inseriu no texto que ele copiava, e às vezes num lugar inadequado, uma ou várias palavras que encontrara à margem: termos esquecidos, variantes, glosas explicativas, anotações etc.
— Ou ainda alguns escribas piedosos pretenderam melhorar por meio de correções teológicas uma ou outra expressão que lhes parecesse suscetível de interpretação doutrinalmente perigosa.
Algumas dessas alterações podem ser detectadas e corrigidas graças às formas textuais não-masoréticas, quando estas se verificam isentas de alteração.
d) Crítica textual. Que forma de texto escolher? Noutras palavras, como chegar a um texto hebraico o mais próximo possível do original? Alguns críticos não hesitam em "corrigir" o texto masorético cada vez que ele não lhes agrada, seja por motivo literário, seja por motivo teológico. Por reação, outros se atêm ao texto masorético, mas quando ele é manifestamente insustentável, procuram encontrar numa ou noutra das versões antigas uma variante que lhes pareça preferível. Esses métodos não são científicos, sobretudo o primeiro. São perigosamente subjetivos.
Atualmente, um melhor conhecimento da exegese targúmica e das literaturas antigas do Oriente Próximo permite explicar certas passagens até hoje obscuras.
Mas a solução verdadeiramente científica consistiria em fazer com a Bíblia hebraica o que se faz com o Novo Testamento e com todas as obras da Antiguidade: um estudo bastante minucioso do conjunto das variantes, estabelecendo "a árvore genealógica" dos testemunhos que possuímos — texto masorético, múltiplos textos de Qumran , Pentateuco samaritano, versões gregas da Septuaginta (com suas três revisões sucessivas), da Quinta (de Orígenes), de Áquila, de Símaco, de Teodocião, versões aramaicas dos targumin, versões siríacas peshitto, filoxeniana, siro-hexaplar, harqleana, versões latinas antigas e Vulgata de Jerônimo, versões coptas, armênias etc. — e assim, sem nenhuma conjetura subjetiva, restabelecer o arquétipo à base de todas as testemunhas. Geralmente esse arquétipo remonta ao século IV a.C. Em alguns casos privilegiados (certas passagens das Crônicas), pode-se provar que o arquétipo assim obtido é o próprio original. Quase sempre o arquétipo está separado do original por um período mais ou menos longo, e então se está obrigado, para passar do arquétipo ao original, a recorrer a algumas conjeturas, com a aplicação prudente de princípios críticos bem-estabelecidos.
Infelizmente, os textos de Qumran ainda não estão todos publicados, e o trabalho crítico exige tanta competência e pesquisa que ele levará ainda várias décadas. Por isso, para evitar as fantasias de correções falaciosas, os responsáveis pela Bíblia — Tradução Ecumênica decidiram seguir, o mais perto possível, o texto masorético, esclarecendo-o pelo trabalho dos grandes exegetas judaicos da Idade Média: Rashi, Ibn--Ezra, Qimhi etc.
2. Os livros transmitidos em grego. Fiel nesse ponto mais a Orígenes do que a Jerônimo, a presente tradução não quis manter o apego à tradição rabínica a ponto de eliminar os livros que, desde a fundação, as Igrejas herdaram do judaísmo de língua grega (classificados como deuterocanônicos na tradição católica). Pelo fato de os judeus de língua hebraica não os terem conservado na lista oficial de seus livros santos e de o judaísmo ter cessado de assegurar-lhes a tradição textual no curso do século I de nossa era, eles nos oferecem tradições textuais geralmente menos unificadas que, por vezes, perderam o enraizamento semítico de onde a maior parte deles surgira. As introduções a cada um deles justificam as escolhas textuais realizadas pelos colaboradores desta Tradução.
E) O SENTIDO DO ANTIGO TESTAMENTO
1. Para os judeus. Para ler a Bíblia (= "Lei escrita"), o judaísmo elaborou sua própria tradição interpretativa durante o período rabínico clássico, do século II a.C. ao século VIII da nossa era. Primeiramente "Lei oral" ou "tradição dos antigos" (porque transmitida de mestre a discípulo sem a mediação escrita), essa tradição foi codificada e posta por escrito na Mishná (que, com o seu comentário, a Guemará, forma o Talmud) e nas diversas coletâneas midráshicas. Ela se desenvolve essencialmente sobre dois pontos: a interpretação livre e homilética, visando alimentar a reflexão religiosa (Hagadá) e a definição das regras de conduta cotidiana (Halaká). "Lei escrita" e "Lei oral", texto de referência e interpretação ininterrupta, constituem a tradição religiosa viva do judaísmo .
Deixemos a palavra a dois autores judeus contemporâneos:
"Se existe uma coisa no mundo que mereça o atributo de divino, é a Bíblia. Há inúmeros livros sobre Deus . A Bíblia é o livro de Deus . Revelando o amor de Deus pelo homem, ela nos abriu os olhos, a fim de que pudéssemos ver que aquilo que tem um sentido para a humanidade é, ao mesmo tempo, o que é sagrado para Deus . Ela mostra como a vida de um indivíduo pode se tornar sagrada, e sobretudo, a vida de uma nação. Oferece sempre uma promessa às almas honestas quando perdem o ânimo, enquanto os que a abandonam vão de encontro ao desastre" (A. Heschel, Dieu en quête de l’homme, Paris, Seuil, 1968, p. 263 [port: Deus em busca do homem, São Paulo, Paulinas, 1975]).
"A teologia judaica, ligando o universalismo da criação ao particularismo de Israel , confirma aquilo que toda a Bíblia ensina, a saber, que Deus se revela ao homem e que Israel está no centro da humanidade, criada à imagem espiritual de Deus : ‘Vós sereis para mim um povo de eleição entre todos os povos, um reino de sacerdotes, uma nação santa’ (Ex 19,5-6); ‘Santos vos tornareis, pois Eu sou Santo, Eu, o Senhor, vosso Deus’ (Lv 19,2).
"Compreende-se então que o judaísmo conceda à Bíblia o lugar mais eminente no ensinamento sinagogal, visto que ela é o ‘Livro da Aliança’ que une Deus a seu povo (Ex 24,7), a carta que, em Abraão , tornou todo Israel bênção para todas as nações (Gn 12,3), de sorte que ‘a terra inteira reconheça um dia e proclame a Realeza e a Unidade de Deus’ (Zc 14,9)" (A. Zaoui, Catholiques, juifs, orthodoxes, protestants lisent la Bible. Introductions à la Bible, t. I, Paris, Cerf, 1970, p. 76).
2. Para os cristãos. O Antigo Testamento só é antigo em relação ao Novo, isto é, a nova aliança instaurada por Jesus Cristo . Mas não se deve exagerar a diferença entre ambos, como se a antiga aliança e a literatura que dela dá testemunho tivessem caducado. Essa visão das coisas, que foi a de Marcião no século II, reaparece periodicamente na história da teologia. Ora, ela atinge mortalmente o próprio Novo Testamento .
a) O Antigo Testamento foi a única Bíblia de Jesus e da Igreja primitiva. Como livro da educação judaica, de algum modo, moldou a alma de Jesus . Este assumiu os valores do AT como fundamentos do seu evangelho : não veio para "ab-rogar" a Lei e os profetas, mas "para cumpri-los". Cumpri-los era primeiramente levá-los a um ponto de perfeição no qual o sentido primitivo dos textos se superasse a si mesmo, para traduzir em sua plenitude o mistério do Reino de Deus . Cumpri-los era também fazer entrar na experiência humana o conteúdo real das promessas que polarizavam a esperança de Israel . Era desvendar o sentido definitivo de uma história ligada a uma educação espiritual, mostrando sua relação com o mistério da salvação , consumado pela cruz e ressurreição de Jesus . Era enfim dar à oração que aí se expressava uma riqueza de conteúdo que ultrapassasse os seus limites provisórios. Sob todos estes aspectos, Jesus cumpriu em sua pessoa as Escrituras que estruturavam a fé de Israel .
b) Por isso a Igreja apostólica encontrou nas Escrituras o ponto de partida necessário para anunciar Jesus Cristo . À luz da Páscoa , ela não somente rememorou os feitos e gestos de Jesus , a fim de compreender o seu sentido profundo; também releu todos os textos antigos que lhe recordavam a história preparatória, com suas peripécias contrastantes, suas instituições provisórias, seus sucessos e fracassos, seus pecadores e santos. Não se encontravam esboçados, anunciados e prefigurados já no Primeiro Testamento a mensagem de Jesus , sua missão redentora, a constituição e o mandato da Igreja? Por isso os livros do Novo Testamento , sem perder de vista as lições positivas contidas nos preceitos do Antigo, habitualmente reinterpretam os textos do AT para fazer emergir neles a presença antecipada do Evangelho. Dessa forma o Antigo Testamento pôde tornar-se a Bíblia Cristã, sem nada perder de sua consistência própria, antes adquirindo o estatuto de Escritura "consumada".
c) Tal é a perspectiva na qual a primitiva teologia cristã foi construída, para explicitar o conteúdo do Evangelho e explicar quem é Jesus , Messias judeu e Filho de Deus . As imagens de Adão e de Moisés , de David e do Servo sofredor, do Emanuel e do Filho do Homem vindo sobre as nuvens permitiram elaborar a linguagem fundamental da fé cristã. Certamente a linguagem do Novo Testamento apresenta diversidade notável. Mas, embora não despreze os recursos do universo cultural no qual viviam seus autores e leitores, foi tecido com as palavras e as frases da Escritura, as quais lhe conferem densidade. A relação entre Deus e seu povo, manifestação de sua graça e fidelidade, tomou assim sua verdadeira dimensão: tudo aconteceu a nossos pais "para servir de exemplo" e Deus quis que isso fosse consignado por escrito "para nos instruir, a nós a quem coube o fim dos tempos" (1Cor 10,11).
O Novo Testamento , por conseguinte, pôs as bases de uma leitura cristã do Antigo. Descoberta do Espírito sob o véu da letra. Revelação do sentido definitivo sob invólucros provisórios. Tal trabalho não se realizou, no decorrer dos séculos da história cristã, sem suscitar problemas complexos, que cada época formulou de modo novo. Herdeiros dessa tradição interpretativa, sempre orientada por uma visão de fé, vemos esses problemas se apresentarem a nós. Que pode haver de extraordinário nisso, uma vez que a Palavra de Deus veio até nós no meio de uma história verdadeiramente humana e sob a forma de palavras verdadeiramente humanas? Para além dessa história e desses textos, a Igreja se esforça por perceber a Palavra de Deus da qual é portadora, a fim de lhe responder na "obediência da fé". Por isso é importante que a Escritura inteira se tenha transformado no tesouro comum das Igrejas, divididas por tantos dramas históricos. A obediência comum à única Palavra de Deus não é o índicio mais seguro de uma unidade que se procura construir? É vivendo da mensagem bíblica, do modo como dela viveram os apóstolos , que os cristãos de hoje reencontrarão o caminho da reunificação em Jesus Cristo .

Unidade e diversidade do Pentateuco . Os primeiros livros da Bíblia formam o que se chama, na tradição cristã — grega, depois latina — o Pentateuco . É uma palavra grega que designava os "cinco estojos" que encerravam os volumes ou rolos, as cinco partes daquilo que se chama em hebraico a Torá, palavra habitualmente traduzida por "Lei"  por isso dizia-se também para designar esses livros "os cinco quintos da Lei". Fala-se ainda dos "cinco livros de Moisés", pois, conforme a tradição , Moisés é o legislador, o intermediário pelo qual o povo de Israel recebeu a Lei.
A Torá de Moisés é composta de várias coletâneas de leis, cada qual com sua estrutura literária, histórica e social, e enquadrando grandes ciclos de narrativas que evocam os atos de Deus na constituição do povo.
Os títulos dos cinco livros do Pentateuco vêm do grego. Procuram dar uma idéia esquemática do conteúdo: as origens, Gênesis; a saída do Egito , Êxodo. O nome do Levítico corresponde ao papel dos filhos de Levi na legislação cultual, o dos Números provém do recenseamento das triboso Deuterônomio (em grego, a "segunda lei") é como uma retomada, uma repetição da lei. A tradição judaica se contenta com designar cada um dos cinco livros pela sua primeira palavra hebraica.
A divisão em cinco partes não quebra a unidade do conjunto, manifestada pela continuidade de um livro noutro. Dessa forma, o livro do Êxodo inicia por uma breve recapitulação da genealogia de Jacó desenvolvida no cap. 46 do Gênesis e por uma retomada do último versículo do livro das origens. O Levítico prolonga a revelação da Lei a Moisés no Sinai , que principia em Ex 20 e não será concluída antes de Nm 10. Quanto ao Deuteronômio , é um discurso patético de Moisés , no qual ele renova o código de Ex 20–23, prevendo o tempo em que o povo, recém-instalado na Terra prometida , estará defronte ao risco de esquecer as exigências do seu Deus .
A atual divisão em capítulos, que data da Idade Média, pretende dar ao conjunto uma divisão mais ou menos regular para a comodidade da leitura e do estudo. As seções da leitura litúrgica judaica conheceram variações. Tampouco elas correspondem ao que se poderia considerar divisões naturais do texto, pois estas constituem seções de extensão muito variável. Por exemplo, a história de José ocupa vários de nossos capítulos (Gn 37 e 39–50); em compensação, o episódio da união dos anjos com as filhas dos homens ocupa apenas alguns versículos (Gn 6,1-4). Não se deve procurar no Pentateuco a composição rigorosa de um código moderno de leis ou de um tratado de teologia; e, apesar de seguir uma ordem cronológica, também não é um manual de história.
A lei e a história. Muitos textos narrativos do Pentateuco têm por finalidade valorizar uma lei: é assim que o episódio do bezerro de ouro (Ex 32–34) liga a ordem de partida do Sinai para a Terra prometida e a formulação da aliança com o preceito: "Não farás para ti deuses em forma de estátua" (Ex 34,17). Outros relatos justificam uma instituição: p. ex., a revolta de Qôra&, Datan e Abirâm (Nm 16-17) explica a escolha da família de Aarão para desempenhar as funções sacerdotais. Embora o Gênesis seja mais narrativo e o Levítico mais legislativo, é no Gênesis que se encontra a lei-instituição da circuncisão , não relatada alhures (Gn 17,9-14), e é no Levítico que se lê a narrativa da investidura sacerdotal de Aarão (Lv 8 e 9). A tradição judaica é mais sensível ao aspecto legislativo da Torá; a tradição cristã muitas vezes conservou mais os aspectos narrativos, a ponto de ver neles uma história da humanidade salva por Deus . A análise literária permite, em certa medida, distinguir diferentes "gêneros", e o conhecimento dos documentos do Oriente Próximo antigo ajuda a caracterizá-los (código penal, legislação matrimonial, genealogia etc.). Mas o trabalho de análise, por si só, não daria conta da perspectiva de conjunto; a imbricação de textos de gêneros tão diferentes é deliberada, significativa; não há leis e narrativas, mas uma lei que é, ao mesmo tempo, história: a história e a lei do povo escolhido e constituído por Deus .
Uma composição por etapas. Sem perder de vista a unidade de conjunto do Pentateuco , o leitor atento se surpreenderá com certos aspectos literários que traem uma composição complexa. Longe de empobrecer a leitura, essa atenção dispensada à diversidade de estilos e testemunhos contribui para desvelar os cinco livros como uma suma na qual se fixaram as confissões de fé de Israel , cada qual à sua maneira, no decorrer dos séculos.
Dessa forma, certos textos legislativos se repetem em contextos diferentes: o Decálogo é dado duas vezes (Ex 20; Dt 5); o ciclo das festas, quatro vezes (Ex 23; 34; Lv 23; Dt 16). O mesmo vale para as narrações: uma dupla narrativa da criação (Gn 1,1–2, 4a; 2,4b-25), da expulsão de Hagar (Gn 16 e 21), da vocação de Moisés (Ex 3–4 e 6,2ss.) etc. Não se trata de simples repetições. Cada um dos textos paralelos possui uma marca original. O mandamento do shabbat, por exemplo, se funda tanto na evocação da criação (Ex 20,9-11), como na da saída do Egito (Dt 5,12-15): essas duas motivações para um mesmo mandamento possuem a mesma autoridade, mas decorrem de intenções diversas, que merecem ser resgatadas. O fenômeno é particularmente nítido na história do patriarca que faz a própria mulher passar por sua irmã aos olhos de um rei . Ela aparece três vezes. Em Gn 12 e 20, é aplicada a Abraão e Saraem Gn 26, a Isaac e Rebeca . Também pode acontecer que uma narrativa desdobrada desse modo se apresente não só sob a forma de duas narrações distintas, mas como uma única narração na qual duas tradições se mesclam: a narrativa do dilúvio (Gn 6,5–9,17). O caráter compósito desse texto é evidente, pois as diferenças de estilo saltam aos olhos. Bastaria perceber as diferenças nas indicações numéricas: dois animais de cada espécie (6,19) ou sete (7,2); quarenta dias de inundação (7,17) ou cento e cinqüenta (7,24).
Diversidade literária aparece também no nível do estilo e das peculiaridades de vocabulário. A mais evidente é o emprego de diversos nomes divinos, particularmente óbvia nas narrativas paralelas. Uma das duas narrativas da expulsão de Hagar, por exemplo, fala do Senhor (YHWH, Gn 16,3-14), enquanto a outra emprega o nome comum para designar Deus (Elohim, Gn 21,9-19)  . A esse primeiro critério — que serviu de chave para que a análise literária identificasse a origem diversa das tradições — acrescentam-se outras divergências: a montanha da revelação ora é o Si-nai (Ex 19,1; Nm 10,12), ora o «oreb (como sempre em Dt, mas já citado em Ex 3,1; cf. nota); os antigos habitantes da região são os cananeus (Gn 12,6) ou os emoritas (Dt 1,19, nota). Essas diferenças, entre muitas outras, sobretudo as que se combinam, evidenciam hábitos de linguagem próprios a certos grupos religiosos por meio dos quais os dados da tradição foram transmitidos. O estilo caloroso das exortações do Deuteronômio contrasta com o caráter técnico das prescrições rituais de Lv 1–7, assim como se choca com a forma lapi-dar dos mandamentos de Lv 19, onde o próprio Deus exige obediência, pois, é ele quem diz: "Eu sou o Senhor, vosso Deus". Tantas particularidades de estilo não se explicam apenas pela diferença de objetos tratados, mas também pelas maneiras distintas de confessar e de viver a fé no Deus único.
Num plano mais artístico, enfim, pode-se comparar a extrema sobriedade de uma narrativa como a da vocação de Abraão (Gn 12,1-4) com o romance pitoresco do casamento de Isaac e Rebeca (Gn 24) ou as aventuras de José (Gn 37; 39–50).
Todos esses fenômenos literários deixam transparecer um longo processo de composição, até se chegar ao conjunto acabado e definitivamente fixado. Na origem, os santuários, os lugares de peregrinação constituíam núcleos em redor dos quais se perpetuavam as tradições orais de tribos ou de grupos de tribos . Todos vinham a eles para celebrar os grandes feitos da história da salvação : a Páscoa com a recordação do Êxodo , as Tendas com a recordação da estada no deserto . Os sacerdotes, guardiães e intérpretes das leis da aliança , herdeiros da tradição mosaica, velavam pela salvaguarda e transmissão das tradições particulares que, pouco a pouco, se agruparam em ciclos ou conjuntos mais vastos, à medida que se estreitavam os laços entre as tribos . À medida que se afirmava a unidade religiosa de Israel , esta supunha a formação de uma síntese ainda mais ampla, que traçasse o destino inteiro do povo a serviço de seu Deus . Tradições religiosas e tradições literárias resultaram assim na formação do nosso Pentateuco : deixaram traços ainda visíveis, graças aos quais se pode ter uma idéia das etapas dessa história, e que dão testemunho da fidelidade da redação final a essas tradições venerandas.
Pode-se comparar o Pentateuco em sua redação final a um terreno de aluvião criado por um rio provindo de uma vasta bacia hidrológica, cujas camadas sucessivas conservam vestígios de sua origem particular. É incumbência da análise literária identificar essas contribuições diversas e ensaiar hipóteses sobre o meio de origem das camadas no seio do povo de Israel , assim como as circunstâncias de sua fixação literária.
Hoje se concorda em reconhecer que quatro correntes principais contribuíram para a formação do conjunto, cada uma das quais projetando sua própria perspectiva sobre a história da aliança e de suas instituições.
A tradição sacerdotal (P). A camada literária mais facilmente identificável é a que dá ao Pentateuco sua atual estrutura geral. Estende-se da narrativa da criação do mundo em sete dias (Gn 1,1–2,4a) à morte de Moisés (Dt 34,7-9) e organiza a história em torno a uma seqüência de genealogias (Gn 5,1 e nota). Ela passa pelo dilúvio e a aliança com Noé (Gn 9) para alcançar a aliança com Abraão (Gn 17). Além dos patriarcas e da revelação do nome divino a Moisés (Ex 6), ela narra a saída do Egito , depois se detém demoradamente na revelação da lei e das instituições cultuais por intermédio de Moisés no Sinai (Ex 25 a Nm 10). As características mais marcantes de seu estilo são as repetições, uma certa rigidez, o gosto da precisão numérica, genealogias, listas, e a predileção por tudo o que concerne ao culto e à liturgia . O interesse dessa tradição pelo santuário (Ex 25–31 e 35–40), pelos sacrifícios (Lv 1–7) e pelo clero constituído por Aarão e seus filhos (Lv 8–10) permite reconhecer nela o testemunho próprio do círculo dos sacerdotes, de onde a denominação de tradição sacerdotal que lhe foi dada, simbolizada pela inicial P (de Priestercodex, código sacerdotal). Por muito tempo considerada proveniente da corrente mais antiga da tradição — notadamente porque é ela que serve de fio condutor a todo o Pentateuco —, sabe-se hoje que essa camada é a de fixação mais recente, embora transmita certo número de materiais antigos. Com efeito, a imagem que ela reproduz das instituições cultuais corresponde à organização da comunidade pós-exílica. Na verdade , foi de acordo com essa forma da tradição que a comunidade judaica se reconstituiu depois da grande ruptura do exílio . Foi esse texto que certamente serviu de fundamento para a reforma de Esdras (Ne 8; comparar Ne 8,18 a Lv 23,36). Baseando-se em uma longa tradição oral, ela pode ter sido redigida pelos sacerdotes de Jerusalém durante o exílio na Babilônia , em vista da restauração do culto no templo reconstruído. Ela dá testemunho de que Deus é senhor do universo inteiro, que todo homem foi criado a sua imagem para servi-lo e adorá-lo. Deus firmou aliança com toda a humanidade por meio de Noé , depois escolheu Abraão para que ele viesse a ser o pai de uma multidão de nações e fez aliança com ele. No seio de sua descendência, Deus separou os levitas, e dentre eles Aarão e sua linhagem, para oferecer o culto em nome de todo o povo. É no santuário sobre o qual repousa a graça divina que se realiza o encontro salvífico entre Deus e os homens, graças à mediação de Moisés e do sumo sacerdote Aarão .
Esta sucessão de alianças concêntricas confere ao conjunto do Pentateuco sua majestosa ordenação, mas não se deve perder de vista que se trata de uma visão superelaborada e relativamente tardia da história das origens. Não é de causar surpresa que um documento-programa desses tenha sido utilizado para o arremate redacional de todo o Pentateuco , com o enquadramento e reorganização dos materiais mais antigos da tradição .
A tradição deuteronômica (D). Uma segunda camada é facilmente resgatável — porque não se mescla facilmente com as outras e se caracteriza por um estilo muito particular. É a tradição compilada no Deuteronômio , designada pela letra D. Centrada no ensinamento da lei, renuncia ao plano cronológico de uma história das origens. Seu gênero literário é o da pregação, com a conclamação à obediência, as exortações, ameaças e as promessas. As múltiplas prescrições da lei são articuladas com o mandamento central do amor a Deus (Dt 6,5 e nota). Mas a catequese da lei se refere constantemente aos eventos da história, dos quais ela ressalta a atualidade (Dt 1,10 e nota): a saída do Egito (Dt 16,3), a promessa de uma boa terra feita aos pais (Dt 4,31 e nota) e mesmo a criação do mundo (Dt 4,32 e nota). Ela evoca também o bezerro de ouro e as infidelidades do povo no deserto (Dt 9,7ss.), a fim de advertir Israel e de levá-lo a escolher entre a vida e a morte (Dt 30,15ss.).
A exigência de um santuário único (Dt 12) permite pôr essa obra literária em relação com a reforma do culto realizada pelo rei Josias em 622 a.C. (2Rs 22–23), ainda que o "livro da lei" — que é a sua base — seja provavelmente uma versão breve e primitiva do livro do Deuteronômio . A atenção reservada aos levitas (Dt 18,1-8) e seu papel de detentores da lei (Dt 33,8-11; 17,18) e de pregadores juntamente com Moisés (Dt 27,9) indicam que essa tradição é a mesma que se transmitia no círculo dos levitas dos antigos santuários do interior, porta-vozes do ensinamento de Moisés . Pode ser que ela tenha recebido sua primeira fixação escrita após a queda do reino do Norte (em 722 a.C.), entre os levitas do Norte refugiados em Judá , ou, de acordo com outra hipótese, entre os sábios agregados à corte de Jerusalém . Mas foi submetida a numerosos desenvolvimentos ulteriores, até o tempo do exílio (Dt 4,25ss.)  .
O longo trabalho de redação deuteronomista não atingiu apenas o Deuteronômio . Enriqueceu visivelmente várias passagens mais antigas do Êxodo (por exemplo, Ex 12–13; 32–33) e até do Gênesis (Gn 18,17-19), onde se podem reconhecer seu estilo e vocabulário. Aliás, é nessa perspectiva que também se organizou a grande síntese da história subseqüente, da entrada na terra à queda de Jerusalém , tal como registrada nos livros de Josué , Juízes, Samuel e Reis, cujo prefácio se encontra nos três primeiros capítulos do Deuteronômio . Essa forma deuteronômica da tradição marcou profundamente o testemunho de todo o Antigo Testamento , com sua insistência no Deus único, na fidelidade à promessa , na eleição gratuita de um povo a quem ele dá terra e instituições, e cuja lei é para aqueles que a praticam fonte de vida e alegria.
Tradições mais antigas. Se agora lançarmos o olhar para os trechos mais antigos, veremos que o Pentateuco toma proporções mais modestas, traindo, embora, sua origem diversificada. As camadas aqui são mais difíceis de identificar, pois a redação definitiva deslocou-as parcialmente para integrá-las como peças que dão autoridade ao escrito. Suas características literárias levam a crítica a reconhecer aqui duas formas primevas da tradição , uma das quais relativamente bem-conservada, enquanto a outra subsiste apenas em fragmentos esparsos.
A tradição javista (J). A primeira camada decorre da tradição que chama Deus por seu nome pessoal "YHWH" desde as origens (Gn 4,26). Por isso, ela se chama javista e é designada pela inicial J. A exemplo da camada sacerdotal, narra a história das origens a partir da criação do homem (Gn 2,4b-25) até a morte de Moisés (Dt 34,5-6). Suas primeiras páginas registram a história de Israel no quadro da humanidade criada para a vida (Gn 2), mas marcada pela recusa a escutar Deus (Gn 3) e pela violência (Gn 4). A paciência de Deus para com os homens pecadores é assegurada a Noé e a sua descendência (Gn 6–8), em vista de uma bênção que Deus promete a Abraão para todas as nações (Gn 12,1-4a). Os ciclos narrativos de Abraão e Jacó demonstram como a promessa se cumpre para aqueles que crêem. A partir da missão de Moisés ante a sarça ardente (Ex 3), a camada literária J narra de maneira particular o enfrentamento entre Deus e Faraó , a saída do Egito , a travessia do mar (Ex 14) e alguns episódios da caminhada no deserto rumo ao Sinai , onde Moisés e os anciãos celebram com Deus uma refeição de aliança e recebem a lei, talvez sob a forma sintética do ritual de Ex 34,14-26. Essa camada se encontra ainda nas últimas narrativas da caminhada no deserto , do Sinai à Terra prometida (Nm 11ss.), e na história de Bilêam (o 4º oráculo : Nm 24,15-19).
A narração javista conservou o caráter pitoresco e a variedade das tradições orais relacionadas a certos santuários e ao folclore do clã. Ela se caracteriza pelo estilo concreto, colorido, cheio de imagens , quase ingênuo de um contador de histórias (os filhos de Noé , Gn 9,18-27; a torre de Babel , Gn 11,1-9), que não hesita em falar de Deus em termos muito expressivos, como se estivesse falando de um homem: "Eles ouviram a voz do Senhor Deus que passeava no jardim ao sopro do dia" (Gn 3,8); "O Senhor fechou a porta atrás de Noé" (Gn 7,16); "Abraão percebeu três homens de pé perto dele" (Gn 18,2). A originalidade de J consiste em que suas múltiplas narrativas foram organizadas em uma história que vai da promessa a seu cumprimento. Não ocultando nenhum dos pecados do homem, nem sua condenação por Deus , essa narrativa dá testemunho dos atos de salvação de um Deus que dispensa sua bênção a Abraão e sua descendência, a fim de fazê-la atingir todas as nações da terra.
A origem e a data de fixação por escrito dessa corrente da tradição são muito discutidas. A redação pode até ter sido processada em várias fases. A dominação prometida para sempre a Judá sobre seus irmãos (Gn 49,10; cf. Gn 37,26) poderia indicar que a origem dessa tradição deve ser procurada em Judá , em meio próximo à monarquia davídica. O "dominador que surge de Jacó" (Nm 24,19) seria uma alusão a David ou a um de seus sucessores? A tradição J teria a intenção de fazer o Estado davídico recordar que, se ele se tornou uma nação inumerável (Gn 12,2; 2Sm 7,23; 1Rs 3,8), foi por favor de uma promessa divina, da qual agora ele deve ser portador em benefício dos outros povos da terra.
A tradição eloísta (E). Vários fragmentos narrativos, quase sempre combinados com a camada J, distinguem-se pela utilização do nome genérico "Elohim" para falar de Deus nas narrativas que precedem a revelação do nome YHWH. Daí o nome eloísta dado a essa camada, com a inicial E. Outras características literárias acompanham esta feição e permitem detectar importantes vestígios dessa corrente: a passagem de Abraão e Abimélek (Gn 20), o sacrifício de Abraão (Gn 22), provavelmente uma grande parte da história de José (cf. Gn 50,20), mas também a infância de Moisés (Ex 2), a revelação do Nome (Ex 3,14), e a visita de Iitrô (Ex 18). Aparentemente, é dessa camada que deriva a mais primitiva coletânea das leis do Pentateuco , o "Código da aliança" (Ex 10,23-23,33). A partir daí, o rastreamento se complica, a ponto de ser necessário renunciar a isolar E da camada J.
Algumas narrativas traem uma perspectiva particular: insistem na distância entre Deus e o homem. É necessário que um anjo intervenha, ou mesmo um homem (Gn 22,11-18; 32,23-33), para evitar que o próprio Deus se imiscua em uma atividade exclusivamente humana, o que às vezes confere a Deus um aspecto temível. A atitude justa do homem perante Deus é aqui freqüentemente expressa pelo termo "temor", que significa, ao mesmo tempo, a relação de intimidade e de obediência (Gn 20,11; 22,12). Ora esse termo é característico da piedade dos círculos próximos aos profetas Elias e Eliseu (1Rs 18,3; 2Rs 4,1). A figura do profeta serve de modelo para descrever o papel de Moisés (Nm 11,25), ou mesmo o de Abraão (Gn 20,7). Alguns também atribuem a origem dessa corrente tradicional ao reino do Norte. Pode-se supor que a tradição E tenha sido compilada em Judá após a destruição do reino do Norte em 722 a.C. O último redator da narrativa J (que às vezes é chamado de jeovista = JE) teria integrado à redação elementos eloístas, sem que se possa afirmar se se tratava de passagens isoladas ou de uma obra coerente da qual ele sacrificara grande parte.
A composição definitiva do Pentateuco . A unidade do povo de Deus , fundada sobre a unicidade do próprio Deus , tornou indispensável a conjunção gradativa dessas diversas formas de tradição . Várias gerações de redatores se dedicaram a isso: eles remanejaram e retocaram o conjunto, mas a preocupação de nada desperdiçar da herança dos pais levou-os a respeitar, o mais possível, a especificidade dos testemunhos antigos.
Outras hipóteses foram elaboradas para explicar a composição do Pentateuco . Se alguns crentes defendem a opinião dos antigos, segundo a qual Moisés redigiu o Pentateuco inteiro, outros autores afirmam que a maior parte das coletâneas de lei se explicam sobretudo pela combinação de partes inicialmente independentes (a hipótese dos "fragmentos"). Outros ainda pensam que a coesão do conjunto como um todo postula a existência de um escrito fundamental, longamente ampliado depois (hipótese "dos complementos"). Não obstante, postas em debate todas essas perspectivas, a redação por camadas sucessivas parece ser hoje a hipótese mais pertinente, por explicar, ao mesmo tempo, a unidade e a diversidade do Pentateuco . Ela proporciona uma leitura em profundidade dessa vasta obra, põe em foco sua mensagem como abordagens diversas do mesmo mistério : J, mais psicólogica; E, mais preocupada em atestar a transcendência; P, mais atenta às realidades jurídicas e cultuais; D, valorizando a eleição e o amor .
O sentido religioso de uma história. O Pentateuco se apresenta como história e lei. Não tem a forma de um tratado dogmático. As orações dos Salmos exaltam a Deus e imploram seu auxílio, os livros sapienciais visam à educação religiosa e moral do indivíduo; os profetas proclamam com autoridade o amor de Deus e denunciam com violência os pecados de Israel e do mundo . O Pentateuco nos põe em face de um povo e diz como Deus o constituiu, protegeu e conduziu para um destino prodigioso. É na relação que Deus mantém com seu povo e, através dele, com a humanidade inteira que se encontra o sentido deste conjunto literário.
O povo do Pentateuco é um povo santo , ou seja, inteiramente consagrado a Deus , porque é dele que tudo provém. Instituição alguma, nem mesmo a realeza — por mais importante que seja na vida religiosa do antigo Oriente —, tem existência independente. A autoridade suprema pertence à palavra de Deus . Moisés é seu mediador. É ela que o sacerdócio transmite, que os profetas proclamam e que, enfim, o livro da Lei conserva. Lei irredutível a meros conceitos jurídicos, ritos ou regras, pois nasce de uma história e nela se insere continuamente. Ela é a pedagogia de Deus , que constitui um povo para si, moldando-o à sua imagem ("Deveis ser santos porque eu sou santo", Lv 11,45), e, enfim, a expressão do pensamento religioso desse mesmo povo.
A leitura cristã do Pentateuco . Com a dispersão do povo de Israel , o livro da Lei apareceu como fundamento de sua unidade, como aquilo que fazia dele um povo. A insistência recaiu sobre os aspectos jurídicos: é a fidelidade à Torá, a uma Lei reguladora da vida cotidiana, que permite aos judeus dispersos serem ainda um povo. Esta interpretação farisaica e rabínica não está fechada ao universalismo, mas seu universalismo centra-se no povo judeu e supõe a fidelidade à Lei. Nessa perspectiva, a atualidade da Lei é posta em evidência.
Ao lado da perenidade do judaísmo , a interpretação cristã abre-se a outro tipo de universalismo. Para o cristianismo , as promessas do Antigo Testamento já se realizaram, seu cumprimento deu-se em Jesus Cristo e a nova aliança consumou a antiga. A lei da primeira aliança aparece então como momento de uma história, e, com a abertura da Igreja aos pagãos, insiste-se na idéia de que a palavra de Deus se dirige ao mundo atravessando a continuidade da história. É uma etapa da constituição do povo de Deus , na qual não se deve parar, mas que se deve assumir até o pleno cumprimento.
Os dons de Deus não têm retorno. Por isso o povo judeu conserva aquilo que dele recebeu; mas não é o único a ouvir na Torá uma palavra de Deus . Os cristãos reconhecem a palavra de Deus encarnada em Jesus de Nazaré , que não veio abolir a lei, mas consumá-la (Mt 5,17). Na Lei, descobrem sua própria história. Eles também constituem uma comunidade a caminho, que vive da libertação realizada por Cristo no dia da Páscoa e da espera do reino de Deus . Eles sabem que sua vida está determinada por uma aliança , a aliança que Cristo selou para eles. Eles se alimentam da palavra de Deus e dos sinais de sua misericórdia e fidelidade. Os acontecimentos atestados pelo Pentateuco anunciam e prefiguram a obra que Deus realizou por Cristo na Igreja , do mesmo modo que as instituições da antiga aliança preparam e delineiam as instituições da nova. Para o cristão, o que se diz do Templo e da liturgia aplica-se ao corpo de Cristo , novo santuário sobre o qual resplandece a glória de Deus (Jo 2,21). É assim que o Pentateuco continua a ser uma fonte de vida para os homens de hoje, para aqueles que partilham a fé de Abraão e saúdam no Cristo a consumação da promessa feita ao patriarca em favor da humanidade.   

O Gênesis é o primeiro livro do Pentateuco (ver a Introdução ao Pentateuco); o livro conta, como seu próprio nome indica (gênese = começo), as origens do mundo e o início da ação de Deus entre os homens. Embora faça parte da Torá (ou lei de Moisés), contém essencialmente relatos que dizem respeito aos ancestrais do povo de Israel , reconhecidos como seus Pais por todos os que crêem. O Gênesis inaugura uma história que se prolonga até os dias de hoje e diz respeito, juntamente com o povo judaico e a Igreja de Cristo , à humanidade inteira.
O Gênesis relata diversos episódios da vida dos patriarcas, agrupados de modo a mostrar que Deus intervém constantemente junto a Abraão e sua família com vistas a preparar a salvação do mundo . É por isso que os relatos patriarcais são precedidos de um prólogo que situa Abraão e seus descendentes no quadro dos povos da terra e contém alguns dos capítulos mais célebres da Bíblia: a criação, Adão e Eva , o Dilúvio, a torre de Babel… capítulos que constituem como que um resumo impressionante da caminhada da humanidade na terra, dos seus empreendimentos e dos seus fracassos…
Para bem compreender este livro e o sentido dos relatos nele contidos, é preciso considerá-lo no seu dinamismo e não dissecá-lo em pedaços destituídos de relação uns com os outros. Mesmo que o leitor se atenha especificamente a algumas das páginas célebres que o livro contém, há de se lembrar — como já o sublinhou a Introdução ao Pentateuco — que o Gênesis não constitui uma obra independente, uma espécie de história da época dos patriarcas, mas que ele representa o começo de um vasto conjunto que narra como Deus , no meio das nações, forma para si um povo sobre a terra para dar testemunho dele. Há que lembrar também que o Gênesis não foi composto de uma só vez, mas resulta de um trabalho literário que se prolongou durante várias gerações; o livro reflete, portanto, as experiências, por vezes dolorosas, dos filhos de Abraão , que nos contam a vida dos seus antepassados, pressupondo assim uma tradição viva que foi constantemente relida em função das vicissitudes da história de Israel . O texto atual só se compreende levando em conta as retomadas necessárias da obra divina dentro do povo de Israel . Temos reflexo disso nas sucessivas redações do texto sagrado, mas elas nunca anularam os primeiros esboços nos quais se baseiam. Elas enriqueceram os primeiros esboços com revelações novas.
A composição do livro. Costuma-se dividir o Gênesis em duas partes: Gn 1–11, que trata dos primórdios da humanidade no universo criado por Deus , e Gn 12–50, que apresenta a vida dos patriarcas e se subdivide em três ciclos de relatos, referentes a Abraão (12–25), a Isaac e sobretudo a Jacó (26–36), e, enfim, a José (37–50). A esta divisão "vertical" e cômoda — já que põe em evidência o conteúdo do Gênesis — pode-se preferir outra, "horizontal", que destaca o fato de o primeiro livro da Bíblia constar de vários estratos ou camadas, que, aliás, vão além de Gn 50. Com efeito, o Gênesis , na sua forma atual, é formado por diversas tradições, denominadas "javista", "eloísta" e "sacerdotal" (ver a Introdução ao Pentateuco). Essas camadas foram se sobrepondo umas às outras no decurso dos séculos e voltam a se encontrar no conjunto do Pentateuco .
Efetivamente, aquilo que poderíamos qualificar como o Gênesis mais antigo, a narração "javista", já fornece a estrutura do livro atual; segundo o "Ja-vista", Deus formou o homem da terra e o colocou no meio das plantas e dos animais. Mas o ser humano deu ouvido a vozes diferentes da de Deus e acabou sendo excluído do jardim do Éden , devendo viver a sua vida no sofrimento, na confusão e na divisão (2–4). A humanidade tenta constituir a própria unidade; fracassa (11), mas Deus preparará e realizará o verdadeiro congraçamento dos homens. Por isso salva Noé do dilúvio (6–9) e chama Abraão , para que nele a bênção divina atinja todas as nações (12). O patriarca vai de uma localidade a outra e, de santuário em santuário , recebe as promessas de Deus , cujas garantias são o nascimento de Ismael (16) e o de Isaac (18–20). O ciclo de Abraão encerra-se com o casamento de Isaac com uma parenta da terra de Arâm, na Mesopotâmia (24).
As tradições relativas ao herdeiro de Abraão são pouco numerosas; têm menos relevo, embora estejam melhor enraizadas na terra e na história do que as relativas a seu pai (26). Desde o começo, a figura de Isaac é dominada pela de Jacó , o antepassado das doze tribos e referência da unidade delas sob a designação de Israel . Jacó , o homem que ao longo de toda a sua existência deveria lutar com Deus e com os homens (32), viveu sobretudo fora da Terra Prometida . Com efeito, ele tem brigas constantes tanto com os arameus — povo de origem das suas esposas — como com Esaú, ancestral de Edom — o povo irmão de Israel — ou com os habitantes de Canaã (34). Jacó morrerá no Egito .
O Gênesis termina com a história dos filhos de Jacó , na qual, ao lado de Judá , José ocupa o papel principal. Ele salva os irmãos da fome acolhendo--os no Egito , apesar de os irmãos terem tentado liquidá-lo.
Antes de morrer, Jacó abençoa seus filhos, designando Judá como rei deles (49); sua morte precede de pouco a de José (50), que deixa os seus numa terra em que, breve, passarão por dura escravidão.
A libertação dos descendentes dos patriarcas será o tema do livro subseqüente ao Gênesis , o Êxodo .
A versão "javista", composta sem dúvida no tempo da realeza, foi a primeira redação literária de tradições locais e tribais. Ela recorda às tribos de Israel as promessas do Deus de Abraão e as dificuldades com que as tribos deparam no caminho da realização dessas promessas.
A ruptura da unidade do povo de Deus e o período difícil que se seguiu causaram a Israel novos problemas, que exigiram, senão uma revisão, pelo menos uma complementação da história dos patriarcas. A tradição "eloísta" constitui um segundo estrato literário, cuja extensão e importância são difíceis de discernir: seu tom é mais sóbrio e menos otimista que o da tradição javista. Na eloísta, Deus intervém menos diretamente nos assuntos humanos e espera dos seus servos, antes de tudo, a obediência. Por vezes reconhece-se nesta tradição a influência do profetismo: Abraão , por exemplo, é saudado como um profeta (20,7), cuja fé é submetida à prova (22).
A dolorosa queda de Jerusalém em 587 a.C. exigiu uma nova revisão da gesta patriarcal. Ela foi obra dos círculos de sacerdotes exilados na Mesopotâmia. A versão "sacerdotal", de tom geralmente abstrato, interessa-se pelos aspectos cultuais e legislativos da obra divina. Ela insiste na aliança de Deus com Abraão (17), que vem depois da aliança com Noé (9) e prepara a do Sinai .
A tradição "sacerdotal" dá ao relato do Gênesis a estrutura definitiva: fazendo a História Sagrada começar com a criação do universo (1), ela mostra a continuidade do destino da humanidade através das indicações genealógicas e cronológicas, ao mesmo tempo que revela as diversas etapas deste destino, marcado pela instauração de alianças ou de estatutos particulares que, da criação a Noé e de Noé a Abraão , possibilitam a Israel tornar-se, no meio das nações, o povo que prestará ao Deus único um culto verdadeiro.
As fontes do Gênesis . Ao contarem as origens do mundo e da humanidade, os autores bíblicos não hesitaram em haurir, direta ou indiretamente, das tradições do antigo Oriente Próximo , em particular da Mesopotâmia, do Egito e da região fenício-cananéia. As descobertas arqueológicas feitas de aproximadamente um século para cá mostram, com efeito, que existem muitos pontos comuns entre as primeiras páginas do Gênesis e determinados textos líricos, sapienciais ou litúrgicos da Suméria, da Babilônia , de Tebas ou de Ugarit. Este fato nada tem de estranho quando se sabe que a terra em que Israel se instalou esteve amplamente aberta às influências estrangeiras; além disso, o próprio povo de Deus , pela sua história, manteve relações com os diversos povos do Oriente Próximo . Mas os progressos da arqueologia revelam igualmente que os escritores que estruturaram e revisaram os relatos dos primeiros capítulos do Gênesis não foram imitadores servis. Souberam retrabalhar as suas fontes, repensá-las em função das tradições específicas do seu povo. Não se limitaram a salvaguardar a originalidade da fé javista: enfatizaram-na.
O fato é que a comparação entre o texto bíblico e os relatos concernentes à origem do mundo ou aos heróis da Antiguidade não está destituída de interesse para o leitor da Sagrada Escritura. Entre muitas outras testemunhas do passado literário do antigo Oriente Próximo , limitamo-nos a assinalar aqui a história babilônica da criação pelo deus Marduk, denominada "Enuma Elish", as aventuras do herói Guilgamesh, que contêm uma versão babilônica do Dilúvio, ou ainda as grandes torres — construídas pelas cidades mesopotâmicas em honra das suas divindades — que lembram a história da torre de Babel .
Os relatos sobre os patriarcas, embora redigidos muito tempo depois dos acontecimentos aos quais se referem, atestam um enraizamento real no ambiente em que viveram os antepassados de Israel . Mais uma vez, os arqueólogos, sobretudo pelas descobertas relativamente recentes de Ugarit e de Mári, possibilitam reconhecer ao mesmo tempo a complexidade das tradições e sua integração na vida do segundo milênio antes da era cristã, tal como é conhecida hoje.
Os costumes de Abraão e dos seus descendentes lembram os de clãs de seminômades, proprietários de ovelhas e de cabras, que circulam ao longo do "Crescente Fértil". Vivem mais ou menos em contato com populações sedentárias, com as quais mantêm relações ora pacíficas, ora belicosas. Os diversos grupos constituídos pelas famílias dos patriarcas — cujas relações exatas nos são desconhecidas — estão em vias de sedentarização na terra de Canaã , que se tornará a terra dos seus sucessores.
Não é possível escrever uma história contínua dos patriarcas, não só por causa do tempo que os separa dos documentos que deles falam, mas sobretudo porque viveram com os seus grupos à margem da história política, isto é, da "grande história". As tradições a seu respeito refletem, antes de tudo, preocupações essenciais, como a de garantir a sobrevivência das famílias em uma região ameaçada pela fome , ou a de assegurar terras férteis para os rebanhos; finalmente, o que se conservou foram apenas certos episódios da sua existência.
Os relatos do Gênesis acerca dos antepassados de Israel são, pois, de origem popular e familiar, e guardam os traços da cultura do seu tempo. Exprimem também as crenças dos patriarcas em um Deus que caminha com eles quando dos seus constantes deslocamentos e lhes promete tudo o que lhes é necessário à vida.
Temas e figuras do Gênesis . O livro do Gênesis é rico em temas e figuras que se reencontram em outras passagens da Bíblia e que a tradição — tanto judaica como cristã — não cessará de meditar. Ele se abre com o relato da criação decantada nos salmos (Sl 8; 104), evocada pelo autor de Jó (Jó 38ss.) e pelo Dêutero-Isaías (Is 40ss.); a atitude de Adão no jardim de Éden será confrontada com a de Cristo , novo Adão , nas epístolas paulinas (Rm 5; 1Cor 15); a história do Dilúvio servirá de pano de fundo para o drama do fim dos tempos (Mt 25) ou de figura do batismo (1Pd 3). O destino de Abraão começa com uma promessa , incessantemente confirmada por Deus , que explica e determina a sorte dos seus descendentes próximos e remotos, promessa cujo cumprimento os patriarcas aguardam, da mesma forma que Israel no tempo de Josué ou de David , e cuja realização em Cristo é saudada pelo apóstolo Paulo (Gl 3). O sacrifício (ou o "amarramento") de Isaac retém a atenção dos rabinos que celebram os méritos dos seus Pais; ele se tornará na Igreja dos primeiros séculos uma prefiguração do drama da Sexta-feira Santa.
A teologia, judaica ou cristã, irá reler, século após século, o primeiro livro da Bíblia, para aprender o mistério da origem do mundo e o sentido do seu destino, para descobrir as primeiras etapas da obra de Deus em favor dos homens. Com efeito, o Gênesis possibilita à teologia enraizar a vida dos indivíduos e das nações na vontade amorosa do Deus que se revelou a Abraão .
Alguns personagens chamam particularmente a atenção: o casal Adão e Eva , que o "Javista" pinta com tanta delicadeza e profundidade, e no qual nos convida a reconhecer-nos a nós mesmos; Noé , que achou graça aos olhos do Senhor e obedeceu às suas ordens; e sobretudo os patriarcas: Abraão , pai dos crentes — ao qual se reportam ao mesmo tempo judeus, cristãos e muçulmanos — testemunha de uma fé e de uma esperança que o comprometem até o fim; Isaac , tão esperado, tão ameaçado e finalmente tão indefeso diante das intrigas dos seus; Jacó , em luta constante com os seus parentes próximos, enganador e enganado, disposto a tudo para usurpar a bênção divina e que permanecerá para sempre marcado, na sua carne , pelo encontro com Deus José , a criança sábia, o inocente esquecido em sua prisão, o grande personagem da corte egípcia, cujo destino revela a sabedoria do Senhor capaz de fazer tudo concorrer para o bem dos seus eleitos.
Ao lado dessas figuras masculinas, não se deve negligenciar o papel da mulher ou da mãe na tradição patriarcal: Eva , seduzida pela serpente , mas apesar disso chamada a ser a mãe de todos os viventes (cap. 3); Sara , que ri ao saber que será mãe de Isaac , o filho da promessa (18); Rebeca , que trama intrigas em favor do seu filho preferido, Jacóas brigas de Leá e de Raquel (29ss.); a mulher de Potifar (39)… umas e outras introduzidas, com Adão , Abrãao, Isaac , no plano de Deus , tal como o apresenta a tradição bíblica.
A riqueza do Gênesis em temas e figuras é uma abertura para o mundo da Bíblia, diante do qual os crentes nunca cessarão de ficar maravilhados.

A Introdução ao Pentateuco mostrou como foram compostos os cinco livros da Torá e o que eles representavam para a fé de Israel . O Êxodo  , segundo livro do Pentateuco , é, por vezes, chamado "Evangelho do Antigo Testamento": como um evangelho , o Êxodo anuncia a "boa nova" fundamental da intervenção de Deus na existência de um grupo de pessoas (4,31), a fim de fazê-las nascer para a liberdade e congregá-las em uma nação santa (19,4-6).
Para entrar no pensamento do livro, é preciso lembrar o que a saída do Egito significava para Israel .
1. A saída do Egito sempre foi considerada por Israel como um momento singular de sua história, acontecimento situado num plano diferente dos outros. É, na verdade , o evento criador de Israel , do qual dependerá toda a vida subseqüente e ao qual inúmeras instituições, ritos e crenças deverão se referir; é também o evento ao qual, por sua vez, se reportarão as grandes esperanças nacionais. De fato, a rememoração da saída do Egito foi tão decisiva que passou a predominar sobre outros acontecimentos que, no plano estritamente histórico, tiveram a mesma influência sobre a vida do povo: a entrada em Canaã sob Josué e a progressiva tomada de consciência da unidade das doze tribos (Js 24), a instauração da realeza e a constituição de um Estado palestino sob Davi, bem como o exílio e a transformação de Israel em comunidade dispersa. Por mais importantes que tenham sido, esses fatos da história de Israel nunca suplantaram o acontecimento da saída do Egito e do tempo passado no deserto . Muito ao contrário, toda a reflexão teológica e histórica de Israel tem sido iluminada pelo "êxodo". Foi, de fato, a época da juventude de um povo que Deus tomou sob seus cuidados (Os 11,1-4; Dt 8,11-16), mas que logo manifestou suas primeiras revoltas (Ex 14–17). A quem procurasse compreender o sentido desta ou daquela instituição, o ponto de referência era muitas vezes oferecido pelos acontecimentos do Êxodo . Qual a razão de ser da Páscoa (12,26), da festa dos Pães sem fermento (13,8 e 12,39) ou da apresentação dos primogênitos (13,14-15)? A resposta não é: trata-se de um costume da terra onde moramos, mas: é uma recordação do que aconteceu por ocasião da saída do Egito . Outro exemplo: por que respeitar e ajudar os "migrantes"? Não é justamente porque nossa experiência em terra egípcia nos ensinou o que é a vida deles (22,20; 23,9)? Em suma, esse acontecimento tão importante, capaz de animar, através dos séculos, as instituições, ritos e leis de um povo, deve realmente ser considerado como o nascimento deste povo.
2. Além de ser o nascimento, o êxodo também foi para Israel o tempo privilegiado do encontro com Deus . A linguagem "miraculosa" do livro do Êxodo (cf. as "pragas" ou a "passagem do mar") não deve enganar o leitor moderno, dando-lhe a impressão de estar diante de uma teologia ingênua, isto é, diante de uma teologia que concebesse a intervenção de Deus como um evento necessariamente estrondoso e de adesão obrigatória. Lendo o livro com atenção, percebemos que é perpassado por uma série de questões essenciais, ou seja, de contestações. Será que vão acreditar (4,1; 6,9; 14,31)? O Senhor está ou não no meio de nós (17,7)? Qual é o seu nome (3,13-15)? É possível vê-lo (33,18-23)? Por que Moisés nos arrasta a esta aventura perigosa e fatal (14,11; 16,3; 17,3; 32,1)? A essas questões e dúvidas, o livro dá a resposta da fé do povo de Israel . Esta fé amadureceu incessantemente no decurso dos séculos, até a elaboração final do livro do Êxodo (cf. a Introdução ao Pentateuco). Desde o dia em que Moisés deu a conhecer ao seu povo o Deus único a ser cultuado, o Deus da Aliança , Israel meditou longamente sobre o evento primeiro de sua existência nacional: este êxodo e esta aliança. Compreendeu que Deus interveio na história (cf. as pequenas "confissões de fé" em 13,9.16). Compreendeu quem era esse Deus , que havia suscitado e guiado a caminhada do povo, e qual era o seu nome . O Senhor, o Deus de Moisés e de Israel , é aquele que, sendo fiel a uma esperança por ele mesmo suscitada, respondeu ao grito de homens insatisfeitos e reduzidos à servidão (2,23-25). É aquele que, ao final, foi capaz de vencer todas as resistências (cf. caps. 7–11), encaminhando o seu povo para a liberdade (a tal ponto que a expressão Aquele que nos fez sair da terra do Egito tornou-se um de seus títulos principais, quase o seu nome). Desejando reunir a humanidade num povo que fosse o seu povo, ofereceu-lhe uma aliança e pediu-lhe que agisse de acordo com ela (19–24). Revelou sua paciência e sua misericórdia a um povo pecador (32–34). Tornou-se, enfim, presente junto ao povo pela mediação de Moisés , o profeta (33,7-11; 34,29-35), e mediante a liturgia celebrada pelo sacerdote Aarão no santuário legítimo (25,8; 40,34-35).
3. Assim, a saída do Egito não é apenas um acontecimento de outrora, mas uma realidade sempre viva. Tanto o Sl 114 como Js 4,22-24 reuniam na mesma celebração a passagem do mar realizada com Moisés e a do Jordão com Josué . O Sl 81 convidava a comunidade reunida "no dia da festa" a ouvir melhor do que os seus antepassados a voz que tinha ressoado por ocasião dos acontecimentos do Êxodo , e o Sl 95 acentuava que esta voz estava falando hoje. Na verdade , conforme o Sl 111,4, "o Senhor benevolente e misericordioso (cf. Ex 34,6) quis que seus milagres fossem lembrados". Com suas festas litúrgicas  , Israel tem, por conseguinte, o ensejo de participar plenamente da libertação pascal e de entrar incessantemente na aliança inaugurada no Sinai . Desse modo, a liturgia dava a cada um a possibilidade de reviver periodicamente os acontecimentos da saída do Egito . Além disso, Israel olhou para o passado de modo ainda mais intenso por ocasião das grandes crises que abalaram a comunidade. Lembremos, por exemplo, a peregrinação feita pelo profeta Elias ao monte Horeb, às fontes da fé israelita (1Rs 19), na época da crise cananéia , que, no tempo de Acab , conseguiu levar o reino do norte à apostasia. Da mesma forma, depois de Jeremias (Jr 31,31-34) e de Ezequiel (Ez 16,59-63; 37,20-28), que haviam anunciado uma nova aliança, o Segundo Isaías proclamava que tinha chegado o tempo de um novo Êxodo (Is 43,16-21): a libertação maravilhosa de uma terra de cativeiro (Is 48,20-22; 49) viria ainda mais maravilhosamente acompanhada por uma libertação dos pecados (Is 40,2; 44,21-22) e por um apelo a que todas as nações se voltassem para aquele que, tendo salvado Israel , é capaz de salvar a todos (Is 45,4-25). Portanto, para ler o livro do Êxodo , é preciso estar lembrado de que, na elaboração progressiva do texto, Israel foi guiado por sua fé. "Em cada geração, cada qual deve considerar-se como tendo ele mesmo saído do Egito", dirá mais tarde o ritual judaico da Páscoa (cf. 13,8 nota).
4. Como livro de um povo a caminho, o Êxodo não é um livro acabado. Sendo um testemunho prestado à intervenção salvífica de Deus na história dos homens, alimenta a esperança de uma liberdade mais fundamental e mais definitiva. Nesta perspectiva, os autores do Novo Testamento consideravam a salvação trazida por Jesus Cristo como um cumprimento do êxodo de Israel . E para exprimir a novidade da experiência cristã foi justamente utilizada a linguagem do Êxodo , aliás, tal como ele era reinterpretado pelo judaísmo na era cristã  . A última ceia de Cristo , sua morte e sua glorificação foram compreendidas como sendo a sua Páscoa (Lc 22,14-20; Jo 13,1-3; 19,36). Outros textos (Jo 6; 1Cor 5,7; 10,2-4) utilizam os conceitos maná , nuvem, travessia do mar , água do rochedo, páscoa, pão sem fermento para falar do batismo e da eucaristia . O Apocalipse celebra Cristo como o Cordeiro pascal (Ap 5,6); no mesmo livro, os flagelos que se abatem sobre os adoradores da Besta são retomados das pragas do Egito (Ap 15,5-21); e os que participam do triunfo de Cristo sobre a Besta cantam novamente o cântico de Moisés (Ap 15,3); enfim, para descrever o surgimento do mundo novo, alude-se a um desaparecimento do mar (Ap 21,1). Todos os temas de uma leitura cristã do Êxodo foram abundantemente explorados pelos Padres da Igreja — aliás, menos em comentários contínuos do que em homilias pascais e catequeses. Tudo isso explica a presença difusa dos temas do Êxodo na liturgia cristã. Sem pretender fazer um levantamento completo, mencionamos apenas a leitura da travessia do mar e o canto do hino de Moisés (Ex 14–15), retomados na noite da Páscoa tanto na liturgia bizantina como na liturgia romana  ou então o lugar do decálogo no culto e na catequese das Igrejas.
5. O fato de o livro do Êxodo ter sido escrito para exprimir a fé do povo de Israel não significa que ele esteja baseado em fatos imaginários. Confrontando os dados da tradição bíblica com os dados agora melhor conhecidos da história do antigo Oriente Médio, percebemos que os estudos históricos não foram feitos em vão. Quanto a Moisés , hesitava-se em situá-lo entre o século XV (18ª dinastia, especialmente no reinado de Tutmés/Tutmósis III) e o século XIII (19ª dinastia; nos reinados de Seti I, Ramsés II ou Merneptá). Embora admitindo que a dominação egípcia da 18ª dinastia pode ter deixado vestígios na narração "javista", os historiadores geralmente mantêm a assim chamada cronologia "curta" (êxodo no século XIII). No contexto político da região e da época, podemos representar-nos os fatos da seguinte maneira:
No século XVI, o Novo Império egípcio expulsa os invasores hicsos, que cento e cinqüenta anos antes vieram da Ásia. No século XV, especialmente com Tutmés III, o Egito fortaleceu a sua dominação sobre os países cananeus. O século XIV foi marcado por um enfraquecimento do Egito , que passa pela crise religiosa dita de El-Amarna (Amenófis IV, Tutankamon); seus vassalos cananeus estão sob a ameaça do crescente poderio hitita e da agitação fomentada por uma população de migrantes turbulentos chamados habiru pelos textos antigos  . Para restabelecer a ordem, um general, Horemheb, funda a 19ª dinastia (século XIII), que instala sua capital no delta do Nilo, empreende a fortificação da costa do Mediterrâneo e, com Ramsés II , vê-se obrigada a enfrentar o poderio hitita. Foi nessa época — supõe-se — que os egípcios utilizaram mão-de-obra semita, encontrada na região e cujas intenções, aliás, deixaram preocupada a administração. No entanto, Moisés (que talvez tenha sido formado, como outros semitas, para o serviço da política asiática de Faraó) conseguiu levar seus irmãos de raça para o deserto e organizar sua vida religiosa, esperando que esta gente, pertencente sobretudo à "casa de José" (tribos de Efraim e de Manassés) e à "casa de Levi", entrasse em Canaã sob Josué . Aí, outras tribos vão se unir a eles e ao "Deus que fez subir o seu povo da casa da escravidão".
Foi este o quadro humano em que Deus interveio para revelar a um povo de migrantes o desígnio de fazer deles a sua propriedade pessoal, um reino de sacerdotes e uma nação santa (19,5-6). Enfim, é aí que se inicia o congraçamento de todos os homens na aliança do Senhor.


Fonte: http://minhateca.com.br/cezario_hujm/Documentos/arquivos+teol*c3*b3gicos.lnk/2014/Documents+and+Settings/usuario/Desktop/arquivos+teol*c3*b3gicos+cezario/1+-+Estudos+A+-+Z/A/ANTIGO+TESTAMENTO*2cPENTATEUCO*2cG*c3*8aNESIS+E+*c3*8aXODO,57767384.doc