Divulgador de Cristo

Imagens em Movimento

3homens 3homens Natural

Divulgador de Cristo

Arrebatamento

Jesus Cristo

Fim dos tempos

Você sabia

versículos biblicos

Evangelização/Reflexão

Conhecendo as Escrituras

Anjos

Saiba quem é Jesus o Cristo

Salmos 23

O Lamento do Messias

Redes Sociais

Translate into your language

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Quem pode ser salvo?



   Marcos 10. 23-26

Contextualização:


         Veja que grandes ensinamentos o Senhor Jesus nos dá no capítulo 10 de Marcos. Note você que quando a seita dos fariseus interpela com Jesus acerca
do divórcio, o Mestre os remete a Moisés. Jesus os pergunta sobre uma ordem de Moisés e eles respondem com uma permissão de Moisés. Jesus então vai citar Gênesis, onde Deus formou homem e mulher ajuntando-os, e assim, os dois se tornam uma só carne. Jesus está afirmando que não dá para separar carne de carne, por isso, o que Deus ajuntou não separa o homem. A permissão (e não a ordem) é por causa da dureza do coração do homem.

          Na sequência, Jesus vai mostrar que
o reino de Deus é dos humildes de coração. Que o reino de Deus é dos que estão prontos para aprender. Por isso Ele diz: “Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraçais, porque dos tais é o reino de Deus”.

            Alguém quer saber a cerca da salvação. Na resposta de Jesus tem algo que muitas vezes passa despercebido por muitos leitores da palavra de Deus. Ao responder a pergunta daquele homem, Jesus lhe faz outra e cita apenas os últimos seis mandamentos da lei de Deus e, justamente os mandamentos que tratam do relacionamento do homem para com o homem.

            Jesus conhece o coração daquele homem e sabe que o seu coração não se relaciona com Pai. O coração dele está preso às riquezas. Por isso ele afirma: “quão dificilmente entrarão no Reino de Deus os que têm riquezas”!(23). A Bíblia diz que os discípulos estranharam a fala de Jesus. Então Cristo insiste: “Filhos, quão difícil é (para os que confiam nas riquezas) entrar no Reino de Deus”! (24).

            Os discípulos ficaram maravilhados dizendo entre si: “Então, quem pode ser salvo”? Ao pensarmos nesta questão, precisamos ter em mente que a salvação não é algo que merecemos, não é algo que podemos comprar, não é algo alcançado por mérito próprio. O Senhor Jesus vai dizer que para os homens isto é impossível (Mc 10. 27b).

            Os Salmos 14 e 53 nos versos 2 e 3 assim dizem: “Do céu, olha o Senhor para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um se quer”.

            Voltemos então, à pergunta que os discípulos do Senhor fizeram e que é a mesma que faço nesta manhã:“Quem pode ser salvo”? 

            Busquemos então, nas Sagradas Letras, a resposta para esta pergunta. 

I – Pecadores como Paulo podem ser salvos (At 9. 20).

            Temos muitas histórias de pecadores que foram convertidos e que estão narradas tanto na Bíblia, quanto na história do cristianismo. Eis algumas delas:

- Temos a história de Manassés que levantou altares aos baalins, fez postes ídolos, edificou altares na casa do Senhor, queimou seus filhos como oferta no vale do filho de Hinon, adivinhava pelas nuvens, fez tudo o que era mal perante o Senhor e ainda provocava a Sua ira. Deus então permitiu que Manassés fosse preso e levado cativo, e quando em aflição clamou ao Senhor, o Senhor então se compadeceu dele fazendo-o retornar a Jerusalém para reconhecer que o Senhor é Deus (II Cr 33).

- Temos a história de um moço cuja mãe orou por ele durante trinta anos.  Ele vivia na devassidão, no pecado, na contramão da vontade de Deus. Um dia, teve um encontro com Jesus e foi transformado numa das maiores bênçãos da história do cristianismo. Agostinho de Hipona.

            Mas certamente, a história de pecador convertido mais importante é a do jovem Paulo. Foi o fato mais marcante depois de Pentecostes. Tanto isso é fato, que Lucas, o autor do livro de Atos dos Apóstolos, fez questão de narrar esse fato por três vezes: capítulos 9, 22 e 26. Este homem tinha um berço religioso de gloriosa e exaltada tradição. Ele chega a escrever na carta aos Filipenses o seguinte: “fui circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus, quanto à lei, fariseu” (3. 5).

            Este homem nasceu em Tarso, capital da Silícia. Era cidadão romano. Foi criado em Jerusalém aos pés do mestre Gamaliel. Recebeu a mais fina educação cultural e religiosa. Era da ala mais radical do judaísmo, era fariseu. Certamente era a maior expressão do judaísmo antes de converter-se e depois da sua conversão, a maior expressão do cristianismo.

            A história de Paulo começa a ser escrita no capítulo 8 do Livro de Atos. A Bíblia diz que Saulo consentia na morte de Estêvão e que em seguida, inicia-se uma grande perseguição contra a igreja que foi liderada pelo mesmo que assolava a igreja e encerrava homens e mulheres no cárcere.

            Agora, Paulo respirando ainda ameaças e morte contra os discípulos, está indo para Damasco (At 9). Ele tem em mãos cartas que o autoriza a prender os cristãos e os levarem para Jerusalém. Paulo é um homem impiedoso, um perseguidor implacável. Alguém que não mede esforços para alcançar seus objetivos. Ele está devastando a igreja por onde passa.

            Jesus então toma a iniciativa e muda a história deste homem. Não foi Paulo quem procurou a Cristo. Foi Cristo quem o encontrou. A salvação de Paulo foi uma iniciativa divina. Amados, o caçador de crentes acaba de ser caçado. Ele está ao chão, no pó da terra derrotado e subjugado pelo Senhor dos senhores, pelo Deus dos deuses e então ele se curva, enfim, Paulo está domado (At 9. 1-6).

            A mudança é drástica. Aquele que levava cartas para prender os cristãos, agora escreve cartas para abençoar a igreja. Aquele que conduzia cristãos à masmorra, agora prega o evangelho da salvação para conduzir pessoas ao reino dos céus. Aquele que antes perseguia Jesus, agora prega a Jesus ressurreto afirmando que Ele é o Filho de Deus. Aquele que era perseguidor do evangelho, agora é perseguido por causa do evangelho.

            Um homem odiado e rejeitado pelos cristãos (At 9. 13-14), mas amado pelo Senhor e separado para levar o nome de Cristo aos confins da terra (At 9. 15), agora tem uma razão de viver: Cristo. Mais tarde, ele chega a afirmar: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fl 2. 21).

            Deixa-me lhe dizer algo neste momento: “Não importa o quanto pecador você seja. Importa é se o amor de Cristo está em você. Se assim o for, Ele tem um propósito em sua vida”! 

            Seguindo um raciocínio lógico, depois de vermos que pecadores podem ser salvos, veremos que:

 II – Os que estão mortos nos seus delitos e pecados também podem ser salvos (Ef 2. 4-7).

            Quando Paulo escreve esta carta à igreja em Éfeso, tem em mente o propósito de expressar sua íntima satisfação por sua fé em Cristo e descrever a gloriosa graça redentora de Deus para com a igreja. Também fala da nova vida que há através de Cristo Jesus. E ao falar de uma nova vida, Paulo inicia a sua argumentação através do capítulo 2. 1-10.

 Os versos 1-3 narram detalhadamente a nossa situação espiritual diante de Deus. Ele começa afirmando que Deus nos Deus vida, porque nós estávamos mortos.  Que tipo de morte era esta? Era uma morte espiritual. A palavra no texto grego para morte é nekroj, em outras palavras, todo homem sem Cristo está necrosado e completamente inabilitado diante de Deus. Não tem desejo, não tem vontade, não tem sentimento.

Os versos de 4-7 narram a grande mudança que Deus fez na história. Como vimos, outrora, mortos nos nossos delitos e pecados, e agora: “Mas Deus”, ou seja, Deus tomou a iniciativa de mudar a nossa história e nos transportar das trevas para a sua maravilhosa luz!

O texto diz que Deus nos amou, não com qualquer amor, mas com grande amor. Perceba que Paulo usa as expressões sempre em grau maior. Deus não é só misericordioso, mas ele é rico em misericórdia.

Se olharmos com mais cuidado, iremos perceber que o verso 5 é idêntico ao verso 1, só que com um acréscimo: “Nos deu vida, juntamente com Cristo”. Em outras palavras, foi por causa do seu grande amor que Deus nos deu vida.

E agora, a grande temática do texto é inserida: “Pela Graça sois Salvos”. Qual é causa desta graça? Verso 4 (por causa do grande amor). E logo em seguida o verso 6 nos declara as bênçãos que Deus nos proporciona. Da mesma forma que Cristo ressuscitou a assentou-se na glória com o Pai, nós também ressuscitaremos e desfrutaremos da eterna presença de Deus.

O verso 7 nos mostra claramente com qual finalidade Deus nos salvou. Deus salva o homem para tornar conhecida em todos os tempos a sua graça. Mas não só graça, mas a riqueza da sua graça.

Se você se encontra aqui neste momento e tem a oportunidade de escutar a Palavra de Deus é porque Deus te amou, e te amou tanto a ponto de entregar o que ele tinha de mais precioso: “seu Filho Jesus Cristo”. O homem jamais conseguiria dar um passo em direção a Deus, se Deus não o tivesse amado primeiro.  

Paulo escrevendo aos Colossenses (2. 13-15) diz: “E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz”.

Quando a Bíblia diz que Ele nos deu vida juntamente com Cristo, isto significa que o amor de Deus só é derramado a nós pecadores por meio de Cristo Jesus. Amado, Deus te amou tanto que morreu por você. Ver João 3. 16.

 Finalizando, depois de compreender que pecadores podem ser salvos e que os que estão mortos nos seus delitos e pecados também podem ser salvos, veremos em terceiro e último lugar que:

III – Você também pode ser salvo (Rm 10. 9, 11 e 13).

            A carta expõe aos seus leitores a essência do evangelho de Deus em Cristo. Uma mensagem que orienta o Cristão a não mais viver à sombra do legalismo judaico e sim à luz da justificação pela fé - Ninguém será justificado diante de Deus por obras da lei, segundo o pensamento de Paulo em Romanos 3. 20. A graça divina torna-se o cerne da doutrina de Paulo nesta carta. Foi acertadamente apresentada em primeiro lugar na ordem das epístolas por ser a expressão mais completa no Novo Testamento sobre as verdades do Cristianismo. As declarações apresentadas na obra de Paulo, sem dúvida alguma, representam o que de mais profundo existe para que o homem de Deus tenha uma vida piedosa e, sobretudo, autêntica.

            Todas as verdades bíblicas sobre a condição do homem natural, sobre pecado, sobre queda, sobre justificação, sobre eleição, sobre predestinação, enfim, todos os assuntos tratados em toda a Bíblia, estão expostos na Carta aos Romanos. É, sem dúvida, a maior expressão de Paulo sobreo evangelho.

            Depois de mostrar qual é condição natural do homem, de falar da justificação em Cristo Jesus, de tratar sobre lei e pecado, de mostrar o grande amor de Deus em nos chamar em Cristo Jesus, Paulo chega ao capítulo 9 e vai falar sobre a incredulidade humana e graça divina. Neste capítulo, Paulo vai mostrar que mesmo diante da incredulidade de Israel, Deus vai se mostrar soberano, justo e fiel para com todas as suas promessas.

            Ao chegar ao capítulo 10, Paulo vai dizer qual é a vontade de seu coração: “que todos sejam salvos”. E o motivo é simples: “são zelosos, porém, sem entendimento”. E Paulo ama tanto a estes irmãos que além de desejar, vai expressar de forma direta qual é o caminho para que deixem a rejeição de lado e passem a fazer parte da família celestial: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porquanto a Escritura diz: Todo aquele que nele crê não será confundido. Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”.

            Assim, eu quero te dizer neste momento que não importa quem você foi ou o que você é pois, Deus não levou em conta o tempo da ignorância (At 17. 30). Não importa se você está sem esperança, cansado e fatigado pelo jugo de escravidão, o senhor Jesus o chama para ir a ele para serdes aliviado (Mt 11. 28-30). Não importa a sua religião ou o seu estátus, importa é você se dispor a deixar tudo para viver por modo digno do Evangelho de nosso Senhor (Fp 1. 27).

            Uma das mais belas declarações de Paulo sobre a salvação está em Romanos 8. 1, 38 e 39: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”



Conclusão

            A Bíblia recomenda no Livro de Lamentações a trazer à memória aquilo que nos dá esperança (Lm 3. 21). Assim sendo, quero instruí-lo a guardar na memória e no coração a resposta para a pergunta a qual os discípulos do Senhor proferiram no texto de Marcos 10. 26 que foi:

“Quem pode ser salvo”?

I – Pecadores como Paulo podem ser salvos. Por mais que aos olhos humanos seja impossível alcançar a salvação e, de fato o é, para Deus isto é possível.

 Quem pode ser salvo?

II - Os que estão mortos nos seus delitos e pecados também podem ser salvos. Estando o homem sem vontade própria para se decidir por Deus, então Ele toma a decisão de nos salvar por meio de seu amor e de sua graça insondável.

 Quem pode ser salvo?

III – Você também pode ser salvo. O meio para ganhar esta salvação é confessando Jesus como Senhor e crendo que Deus o ressuscitou dentre os mortos.


 SOLI DEO GLÓRIA!
Fonte:vhttp://www.cliquepaz.net/detalhesmensagem/1528/quem-pode-ser-salvo/
Imagem: Extraida  da internet