terça-feira, 19 de dezembro de 2017

COMO DEVEMOS ESPERAR A VINDA DO SENHOR?





A celebração da ressurreição de Jesus nos faz olhar para trás. Relembramos o seu sacrifício, sua ressurreição e sua ascensão. Mas, as comemorações da ressurreição nos motivam a olhar para frente: a segunda vinda de Cristo. E a certeza a vinda de Jesus e do juízo final devem impactar a nossa vida cristã. Pedro, em sua segunda carta (3.11-14) recomenda-nos a tomar algumas atitudes fundamentais:

Primeiro, devemos levar uma vida de santidade e piedade (vv.11 e 14). Pedro recomenda:
Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade (v.11). O verbo “dever” indica que há uma obrigação de vivermos em santidade. A expectativa da volta de Cristo deve nos motivar a ter uma vida pura. Devemos amar a vinda do Senhor e levar uma vida santa e piedosa. No versículo 14, Pedro repete: Por essa razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis. Ele responsabiliza o crente a se esforçar para manter uma vida de santidade irrepreensível.

Segundo, devemos apressar a vinda do Senhor (v.12). Pedro declara: esperando e apressando a vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão (v.12). A palavra “apressando” tem o sentido de “dar pressa”. De que maneira podemos apressar a vinda de Jesus? Primeiro, orando “venha o teu reino” (Mt 6.2) e “Maranata, ora vem Senhor” (1Co 16.22; Ap 22.20). Segundo, evangelizando o mundo e plantando novas igrejas. O fim virá quando o evangelho for proclamado a todas as nações (Mt 24.14). Terceiro, trabalhando na obra de Deus e na edificação da igreja. O nosso trabalho não é vão no Senhor (1Co 15.58).

Terceiro, devemos nos firmar na Palavra de Deus (vv.15-16). Pedro nos recomenda que enquanto Cristo não voltar, devemos permanecer fieis a Bíblia. A nossa salvação e santificação estão firmadas na Palavra do Senhor. Pedro reconhece a inspiração, a inerrância e autoridade do escritos de Paulo (v.15). Ele reconhece a inspiração que Paulo recebeu de Deus, para escrever suas cartas. Não devemos imitar os falsos mestres que ignoram e deturpam as Escrituras, para a sua própria destruição (v.16). A palavra “destruição” refere-se à morte eterna causada pela rejeição da Palavra de Deus.

Devemos buscar o crescimento espiritual (vv.17-18). Pedro se dirige aos irmãos, de forma carinhosa e distinta: (v.17). Primeiro, os crentes são amados por Deus. Segundo, os crentes devem estar de sobreaviso: “acautelai-vos”. Não se deixem enganar pelos falsos mestres e nem pelos erros que eles praticam e ensinam. Estejam firmes na Palavra e na sã doutrina. Terceiro, cresçam espiritualmente: antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A melhor estratégia para não ser enganado e cair é crescer espiritualmente. Crescimento requer equilíbrio entre a graça e o conhecimento. Crescer na graça significa tornar-se mais semelhante a Jesus Cristo. Crescer no conhecimento significa aprofundar o relacionamento com Cristo. Ao crescermos nele, cresceremos à semelhança dele. A vida cristã saudável consiste em conhecer constantemente e profundamente a Jesus como Senhor e Salvador. E quando tudo terminar: A ele seja a glória, tanto agora como no dia eterno. A glória pertence a Jesus, no tempo e na eternidade. Tudo que começa com a graça de Deus termina para a glória de Deus.

Aproveite o dia de hoje para meditar na obra de Jesus. Olhe para a cruz e para o túmulo vazio. Mas, olhe principalmente para o futuro. Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. (1 Jo 3.2).

Imagem: Extraida da Internet