segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

O que é o Reino de Deus?


O Reino de Deus: Um reino presente ou futuro?
O reino de Deus (também chamado de “ reino dos céus”, “reino de Cristo”, “reino do Senhor”, “o reino”, etc.) é a base do ensino da Bíblia como um todo. As Escrituras revelam Deus por meio de várias metáforas, mas a principal a imagem empregada pelos autores bíblicos é a de Deus com Rei Divino (veja, p. ex., 1Sm 8.7) A convicção básica de que Deus é o rei supremo é acompanhada da convicção de que a criação é o seu reino (Sl 47.1-9; 83.18; Dn 4.25-26; 5.21). Nesse sentido geral, portanto, Deus sempre foi o rei soberano que, do seu trono celeste, governa sobre todas as coisas (Sl 103.19;113.5; Mt 5.34; Ef 1.20;Cl 1.16; Hb 12.2; Ap 7.15).
Ao mesmo tempo, o conceito bíblico do reino de Deus também tem um sentido específico. Jesus descreve esse sentido mais estrito do Reino de Deus da seguinte maneira:
“venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10). A santidade e a glória de Deus em sua sala do trono no céu são tão sobrepujantes que todas as criaturas em sua presença o glorifica, com serviço voluntário e absolutamente dedicado. Na terra, porém, as criaturas se rebelam e se recusam a reconhecer Deus como rei, e reinos perversos se levantam para fazer frente ao reino divino. Do começo ao fim, as Escrituras apresentam a esperança de que essa disparidade entre a sala do trono no céu e a terra, um dia eliminada (1Cr 16.31). Deus julgará os perversos e conduzirá a humanidade redimida a uma nova criação (Is 65; Zc 14). Quando essa transformação ocorrer, somente o reino de Deus permanecerá e a obediência voluntária a ele se estenderá até os confins da terra, do mesmo modo como à vontade de Deus é feita hoje no céu (1Cr 16.31; Sl 97.1-2).
No entanto como as Escrituras revelam, Deus determinou que esse fim será alcançado mediante um longo processo histórico. Na escolha de Abraão e seus descendentes como povo especial de Deus ( Êx 3.6-7; 6.2-8), o reino de Deus se limitava, quase que inteiramente, à nação e a terra de Israel. Deus afirmou o seu reino na terra ao libertar Israel do Egito e levar o seu povo para a terra prometida (Êx 15). Nos reinados de Davi e Salomão, Israel se tornou um império, com os filhos de Davi assentados no trono pertencente a Deus como seus corregentes (2Cr 6) e o templo como estrado dos pés de Deus (1Cr 28.2). Essa forma geometricamente limitada do reino não era um fim em si. Pelo contrário, a Israel do antigo Testamento foi estabelecida como um estágio a partir do qual o reino de Deus se estenderia, em seu devido tempo, a todas as nações da terra (Gn 17.17-20; 18.18; Rm 4.13-17).

A rebelião manifesta de Israel e Judá provocou uma crise no reino de Deus. Porém, o Antigo Testamento anunciou que, depois do exílio, Deus eliminaria os perversos da terra e estabeleceria até aos confins da terra, abarcando judeus e gentios (1 Cr 16.23-36; Sl 67; 97; Is 52.7-15).

O Novo Testamento ensina que esse estágio final de abrangência mundial do Reino de Deus se iniciou com a encarnação de Cristo. Ele e João Batista proclamaram as  boas-novas de que o reino estava próximo (Mt 2.2; 4.23; 9.35; 27.11; Mc 15.2; Lc 16.16; 23.3; Jo 18.37) que está em andamento hoje na igreja ( Mt 24.14; Rm 14.16-17; 1Co 4.19-20; Cl 4.11) e se encerrará definitivamente quando Cristo voltar em Gloria ( 1 Co 15.50-58; Ap 11.15).
Quando esse dia chegar, a vontade de Deus será feita por toda a terra como ela é feita hoje no céu.

Fonte: Bíblia de Genebra
Imagem: Extraída da Internet